Vida, Morte, Repete

Em um período de ausência, há morte. Em um período de presença, há vida. Em todos os momentos, há a repetição oscilante de vida e morte, todos os dias da semana, todas as horas do dia.

Quando se fala, há som. Quando não se fala, há silêncio. Som e silêncio se alternam ao longo de nossas vidas de forma tão natural que nem nos apercebemos de seus significados.

Quando se pode andar por aí, há liberdade. Quando não é permitido, há cárcere. Quantos pensam serem livres quando vivem encarcerados em suas casas, carros, escritórios, morrendo de medo de onde virá a próxima ameaça?

Quando atos e pensamentos são passados adiante dentro de um grupo, há tradição. Quando atos e pensamentos são renovados a cada geração, há inovação. Mas, quem disse que as duas coisas se excluem mutuamente?

Estava conversando hoje com um amigo, pouco antes de escrever esse texto. Nem iria escrever este texto do jeito que está sendo escrito. E versávamos sobre os mais jovens.

Na visão dele, as pessoas mais jovens que nós vivem vidas miseráveis baseadas em busca desenfreada por prazer, reconhecimento e validação.  Fazem coisas terríveis para conseguirem essas coisas.

Do meu modo de ver, cada geração que vem ao mundo, tem menos preparo e força para sobreviver a este mundo e, acima de tudo, a essa cultura de tudo subtrair e nada repor. É enlouquecedor, realmente.

Meu amigo e eu vivemos em lados diferentes do mesmo continente. O que ele observa ao redor dele é um cenário diferente do que eu vejo.

Lá, ele vê esse comportamento em pessoas de 20 e poucos anos. Aqui, por outro lado, eu já perdi a conta de quantas pessoas muito acima dessa faixa etária tentam manter esse comportamento infantil.

Que eu saiba, quem precisa de atenção constante é criança pequena. Posso estar enganada. Mas gente de 50, 60 anos querendo agir feito um adolescente inconsequente e falar como neném não parece muito normal para mim.

Da maneira que vejo isso, temos um problema sério nas mãos. Os mais velhos, que deveriam ter um grau de entendimento e sabedoria maior sobre a vida, a morte, as estrelas e a terra, e compartilhá-lo com os mais jovens, não mais fazem isso.

Os mais jovens estão completamente perdidos e sem mapa. E os que estão no meio entre as duas coisas, estão ocupados demais lutando contra a gravidade e tentando parecer ter 15 anos de novo.

É a crise de referências!

E tal crise se verifica em todas as instâncias, esferas sociais e graus de estudo. Tal subversão da ordem natural do progresso dos indivíduos nos possibilita observar de camarote, pipoca fresca e limonada gelada como esse e outros fatores geram crises institucionais sérias que afetam diretamente a sua vida e a minha e a do vizinho.

Vendo desenrolar-se como um filme do Clint Eastwood, estamos quase no meio da trama toda. E ela se engrossa de modo impressionante. Só não piorará sob uma condição: mudar o roteiro agora mesmo e a nível individual.

Uma coisa certa que em sua entrevista à Lêda Nagle  (01/11/2019) disse o filho do senhor que ocupa a cadeira presidencial é que um País só é forte se as pessoas são fortes.

Agora, pense rápido: liste 3 coisas que tenham sido feitas nos últimos 5 anos pelo Governo que tenham sido sinceramente feitas para que você se tornasse mais forte e mais senhor ou senhora de sua própria vida!

E aí? A lista é comprida, não é?

Eu sei que não.

Uma outra pergunta muito pertinente ao nosso caso aqui debatido foi feita pelo jornalista José Luiz Datena, em relação ao caso da prisão do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva: se a matéria discutida que definia pela detenção ou não do acusado era uma Cláusula Pétrea da Constituição, portanto, não pode ser mexida, por qual motivo houve debate?

Eu não dou a menor importância para o que você pensa sobre o caso de Lula. Eu só quero que você entenda a enrascada na qual se meteu.

Não deveria nem haver discussão de que a prisão era ilegal, para início de conversa, o que nos sinaliza um Estado de Exceção e Liberdades Individuais Revogadas.

Traduzindo: isso é mau e estamos lascados!

Pensa um pouquinho: se fazem isso com um sujeito que:

  • é Doutor Honoris Causa em diversas universidades pelo mundo;
  • foi Presidente da República;
  • é considerado o melhor presidente da História do Brasil;
  • é respeitado no mundo todo;
  • nem saiu da cadeia para arrumar uma namorada,
  • com menos de dez minutos de liberdade já tem uma agenda mais movimentada dentro e fora do País do que o senhor que veste a faixa presidencial,
  • e, se bobear, vira o próximo Ghandi ou Mandela.

O que não farão com você, um cisco no umbigo, por muito menos? Entendeu o tamanho da encrenca? Não importa o que pensa sobre o Lula.

Importa o que essa crise de referência é capaz de fazer em termos de estragos que começam com pessoas, tomam de assalto instituições e destroem uma sociedade, inclusive a máquina estatal.

Importa você decidir como vai enfrentar isso. Vai permitir que isso lhe derrube e a tudo o que você diz amar?

Eu não deixava!



Estudante da vida e suas conexões, professora por ofício e vício, pesquisadora por necessidade, ajuda as pessoas a atingirem suas metas de modo personalizado, barato e sem justificativas usando a Educação como principal ferramenta.

Diga-nos o que achou do post: