Um produto e uma profissão que foram importantes para a sociedade, mas, desapareceram.

Assunto: Apresento um produto e uma profissão que desapareceram, ou seja, devido a inovações na tecnologia, com o passar dos anos, deixaram de existir no mercado.

Seringas, antigas

Como eram as seringas antigamente?
Na época não existia o material descartável de hoje. Então a seringa (de vidro) e a agulha eram muito bem fervidas em uma caixa de metal (elétrica): o esterilizador.
Por isso o material podia ser reutilizado inúmeras vezes. Nas situações em que a energia não estava disponível, era só colocar as peças numa caixinha própria, botar álcool, atear fogo e esperar até que o líquido evaporasse.



Seringa, o instrumento tão presente e essencial na rotina de trabalho das equipes de enfermagem, que é constituído por um tubo oco, um êmbolo e uma agulha, é utilizado para inserir substâncias líquidas por via intravenosa (aplicação na veia), hipodérmica (aplicação na pele), intrarraquidiana (anestesia), intramuscular (aplicação no tecido muscular), intracardíaca (aplicação na parede cardíaca), assim como para retirar sangue e para a realização de punção aspirativa em um paciente.

A HISTÓRIA E A EVOLUÇÃO DAS SERINGAS
1647 O físico, matemático, filósofo e teólogo francês Blaise Pascal, em 1647, inventou o primeiro modelo de seringa, ao se interessar pela hidrostática e realizar várias experiências que comprovaram a existência do vácuo e o peso do ar.
Há estudos de que Pascal tenha conduzido experimentos em cães, injetando substâncias químicas e analgésicas. Segundo pesquisas da Sol-Millennium, “O tipo de seringa que ele usou é conhecido por seu dispositivo muito rudimentar, constituído por uma caneta de pena que foi anexada à bexiga de um animal pequeno. Logo após a aplicação do dispositivo na pele, uma
incisão teve que ser feita para tornar a veia acessível. Houve também o experimento em um
ser humano, cuja descrição em um relatório diz que o sujeito da experiência era o “servo
delinquente de um embaixador estrangeiro”, e há indícios no documento de que a experiência não foi bem-sucedida.”
Em 1853, Alexander Wood criou a primeira agulha oca, e que esta já possuía um bico injetor para permitir depósitos de substâncias analgésicas através de um corpo com êmbolo de vidro que era usado empurrando ou puxando o êmbolo dentro do cilindro. Nesse mesmo ano, Charles Gabriel Pravaz desenvolveu estudos para injeção de remédios e Pravaz criou a seringa de metal prática com êmbolo, que era operado por um sistema de parafusos, que permitiam o controle do volume da substância a ser injetada. A agulha por ser oca era afixada na extremidade da seringa.
Neto Geraldes comenda em seu site “Em uma época em que era excepcional a administração de medicamentos por via parenteral, Rynd utilizou seu aparato na tentativa de tratamento de neuralgias, empregando opiláceos e morfina por via subcutânea. Pravaz, por sua vez, testou sua seringa em ovelhas e cavalos, injetando agentes coagulantes como percloreto de ferro intravenosamente, imaginando a possibilidade de tratamento de aneurismas. Wood também utilizava sua seringa para injetar ópios (recomendava morfina diluída em vinho xerez) nos pontos dolorosos.”
Em pouco tempo a seringa se tornou algo arsenal terapêutico dos médicos brasileiros.
base nos dados da BD “No passado, as aplicações de injetáveis eram feitas com seringas de
Só na década de 70 é que as primeiras seringas descartáveis importadas pela BD começaram a chegar no Brasil. Mesmo com as vantagens proporcionadas pela inovação, a conversão de seringa de vidro para a descartável foi lenta e encontrou grande resistência. A partir da década de 70, o Brasil começou a importação de seringas plásticas descartáveis. Três anos mais tarde, a BD resolveu produzir esse item, com a marca BD Plastipak.


Contexto Histórico a partir da invenção da seringa no mundo:

O Barroco é um estilo que dominou a arquitetura, a pintura, a literatura e a música na Europa do século XVII
Por isso, toda a cultura desse período, incluindo costumes, valores e relações sociais, é chamada de “barroca”. Essa época surgiu no final do Renascimento e manifestava-se através de grande ostentação e extravagância entre os grupos beneficiados pelas riquezas da colonização.
Conflito (1642-1649) entre os partidários do rei Carlos I da Grã-Bretanha e os parlamentaristas. O confronto entre o rei Carlos I e o Parlamento fez eclodir a Guerra Civil Inglesa. Após ser derrotado por Oliver Cromwell, Carlos I foi declarado culpado de traição e executado. As causas são encontradas nos acontecimentos sociais, econômicos, constitucionais e religiosos de todo um século ou mais e, sobretudo, nas questões de soberania do Estado Inglês e no puritanismo da Igreja. Empenhado em unificar religiosamente o país sob a Igreja Anglicana, o rei enfrentou a rebeldia da Escócia, que era quase totalmente presbiteriana.

No Brasil em 1970 quando as primeiras seringas descartáveis chegaram:
Durante toda a década dos anos 70 houve uma ditadura militar no Brasil como forma de governo. Foi neste período que o regime atingiu seu auge popular, graças ao ‘milagre econômico’, coincidindo com o momento que aplicava censura em todos os meios de comunicação, torturava e exilava.
Foi a época em que aconteceu a crise do petróleo, o que levou os Estados Unidos à recessão, ao mesmo tempo que economias de países como o Japão começavam a crescer. Nesta época também surgia a defesa do meio ambiente, e houve também um crescimento das revoluções comportamentais da década anterior.
Foi a época em que ocorreu a crise do petróleo, o que levou os Estados Unidos à recessão, ao mesmo tempo que economias de países como o Japão começavam a crescer. Nesta época também surgia a defesa do meio ambiente, e houve também um crescimento das revoluções comportamentais da década anterior. Nos anos 1970, militares incentivavam vacinação, que era obrigatória, década de 70 no brasil ditadura militar.

Aconteceu a copa do Mundo de futebol Dado curioso sobre este time é que, no momento em que o Brasil vivia o auge da ditadura, foi João Saldanha, um simpatizante do Partido Comunista, quem escalou o time. Dois meses antes da Copa começar, porém, problemas afastaram o técnico e fizeram com que Zagallo assumisse. A primeira transmissão em cores e via satélite para todo o mundo. A partir da década de 70, o Brasil começou a importação de seringas plásticas descartáveis. Três anos mais tarde, a BD resolveu produzir esse item aqui no Brasil.



Profissão que não existe mais:
Os Retratistas/fotógrafos Lambe-Lambe.

Com a tecnologia avançando a cada dia, o mundo está em constante mudança, o que era moda a um ano atrás, hoje em dia já está obsoleto. Acompanhamos a evolução nesse mesmo ritmo frenético, se não ficamos ultrapassados. Foi o que aconteceu com algumas profissões de antigamente, que não conseguiram acompanhar o bom da tecnologia e foram ou estão praticamente extintas. Algumas profissões que já foram importantes no passado, e hoje em sua grande maioria não existem mais, dentre diversas escolhi uma, a de Fotógrafo Lambe Lambe: também conhecido como fotógrafo de jardim, por utilizar muitas vezes um jardim para o fundo das fotos, é um profissional em extinção. Era comum encontrar esses profissionais nas praças encapuzados e quase fundidos à caixotes sobres tripés, verdadeiras maravilhas da síntese que unia a câmera ao profissional/fotografo/retratista, assim chamado pelos senhores e senhoras que eram mais velhos naquela época.
Porque os fotógrafos eram chamados de Lambe-lambe?
Existem diversas hipóteses quanto à origem do apelido “lambe-lambe”. Uma delas, de que teria surgido no período em que eram utilizadas placas de vidro para fazer os negativos e lambia-se a placa para determinar o lado da emulsão fotográfica.

O lambe-lambe e a sua técnica:

Após ser batida, a fotografia do lambe-lambe era revelada e copiada dentro do mesmo caixote que sustentava a lente. Na realidade, podemos afirmar que, em seu interior, havia um micro laboratório. Ao entrar na “casaca” (o pano preto), o fotógrafo obtinha o seu negativo no escuro.16 de jan. de 2018


Contexto histórico da profissão do Retratista ou fotografo:

Quando a França ainda vivia um período de instabilidade política, em meados do século XIX, consequência da Revolução Francesa e do Império Napoleônico, surgiu uma nova profissão, reconhecida mais tarde, também como arte: a fotografia
Joseph Nicéphore Niépce Frederick Scott Archer
(Fotografia/Inventores)
O que mudou após a invenção da fotografia?
Por muitos anos vem evoluindo, atribuído a novas vertentes, a fotografia produz sua própria linguagem, mostrando e dando mais detalhes, que poderia nos passar despercebidos, desde a primeira foto branca e preta a nova era digital.
No início da carreira, eles usavam a extinta câmera ‘lambe-lambe’ – daí o nome aos profissionais. O equipamento antigo tinha um laboratório acoplado que permitia revelar as fotos de forma quase instantânea. Visualmente, era um caixote sobre um tripé.
Eles contam que depois passaram pela ‘Polaroid’, com revelação imediata, e pela a câmera de filme.
No Brasil, no entanto, a fotografia chega exatamente em 1840, ano em que se antecipa a maioridade de D. Pedro II, ano em que Félix Taunay, como foi visto, dirige-se aos jovens formandos da Academia Imperial posicionando-se sobre os deveres de constituição de uma arte nacional, comprometida com os valores da arte tradicional. Ou seja: o aparecimento da fotografia no Brasil coincide e necessariamente se confundirá com o II Império que então se iniciava e com o projeto de arte brasileira da Academia que, com a subida ao trono do príncipe brasileiro, D. Pedro II, ganhava perspectivas concretas de realização. Por sua vez, sintomaticamente, o monarca, protetor da Academia, seria considerado o primeiro fotógrafo brasileiro e, sem dúvida, o grande colecionador de fotografias no Brasil até a atualidade. Esse gosto pessoal de D. Pedro II pela fotografia demonstra que ele se interessava por uma produção visual pautada na objetividade e centrada em temas ligados à representação do entorno. Tal interesse talvez também tenha influído na importância dada à pintura de paisagem (não se deve esquecer de que talvez tenha sido ele a determinar a contratação de Grimm para a Academia). Se esta predileção não invalidava a importância que concedia à pintura histórica, tradicional, pelo menos colocava o “realismo” fotográfico e a pintura de paisagem no mesmo patamar dos gêneros mais tradicionais da pintura, como aquela de temas históricos.
Os lambe-lambes, em sua maioria, eram fotógrafos anônimos, de origem simples. A profissão teve seu auge entre as décadas de 1920 e 1950, quando a elite frequentava as praças da cidade. Graças à venda de fotos, tornaram-se proprietários de pequenos imóveis em bairros periféricos da capital.




Conclusão da pesquisa:
Ambos assuntos exposto nesta pesquisa descritiva com intuito conclusivamente referente as Seringas antigas não produzidas mais como inicio do produto, e a profissão extinta, fotografo Lambe-Lambe. Desta forma, procurei fornecer um diversificado de contribuições atualizadas Conclusão produzida por Valdirena, aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho, na disciplina de Legislação, Tutor Maciel.
Analisando o “Sistema de coisas existentes”, falar-lhe que em todas as profissões e produtos existe o começo e o fim. O essencial é termos o conhecimento de sua existência e o respeito pelo que se faz, ambos os casos aqui apresentados.
Concordamos que as seringas são produtos úteis para todo ser humano, para a ciência, e a evolução, um bom invento. Essa descoberta de Pascal, em 1647, criou o produto e consequentemente o método de estudo (via intravenosa).
Segundo minhas pesquisas: A primeira seringa “era muito rudimentar”, fabricada artesanalmente com uma caneta de pena e uma bexiga de animal pequeno; depois veio a agulha oca, o embolo cilíndrico de vidro, após anos no processo evolutivo a seringa tornou-se um produto conhecido e algo indispensável para profissionais da saúde e até cientistas.
A escala produtiva deste, comparado ao produto existente no mercado atualmente, era insuficientemente, pois, a seringa de vidro é composta por duas partes: o embolo e o corpo, produção totalmente artesanal.
O corpo era fabricado por uma sequência: todas as etapas eram realizadas em temperaturas pouco superior ao ponto de fusão do vidro. Inicialmente a quantidade correta de material era descarregada no interior de uma câmara modelada ao produto, depois um contramolde era usado para realizara prensagem, posteriormente usado o sopro para deixar o artefato na forma final.
Na fabricação do embolo não existia a operação do sopro e a superfície do embolo depois de esfriada sofria um jateamento de areia.
Os materiais/esse produto no processo de fabricação eram submetidos ao processo de Têmpera Para permitir sua esterilização em água fervente ou fogo, quando dentro da caixa de alumínio.
Eram aquecidos perto de 700ºC e depois resfriados de forma controlada.
Esse produto que escolhi, dentre tantos, não deixou de existir, pois encontramos no mercado para venda ou exposição, a seringa de vidro evoluiu de acordo com descobertas de novas tecnologias, um novo material em sua fabricação, mas, mantendo sua forma cilíndrica e método de uso.
O que deixou de existir, ou melhor, de ser fabricado foram as seringas de vidro.
Em museus, artigos hospitalares antigos, em Instituições de Ensino Superior, encontramos essas seringas de vidro, apreciar, visualizando como relíquia, conhecemos sua história. Porquanto a mudança, aderindo ao novo material plástico, as seringas de vidro não são mais reusáveis, sendo assim, guardadas como lembranças que nos remete ao passado.
Conclui em minha observação diante deste estudo, que muitos dos produtos e profissões não deixaram necessariamente de existir, estes Evoluíram para um produto similar, como exemplo a seringa descartável de plástico. E a profissão, fotografo Lambe-Lambe, que foi um retratista visionário em seu período histórico, era um profissional ambulante, exercia sua atividade nos espaços públicos como praças, jardins, bosques, feiras. Esteve presente a partir do século XIX. Nesses espaços teve papel importante na popularização da fotografia. Outro exemplo a citar: Maquina de escrever, evoluiu para os atuais computadores que usamos, a profissão de telefonista que se transformou em serviços de call center, telemarketing, contact center. São serviços que evoluíram de uma única profissão devido ao grande avanço tecnológico e produtivo.
Com o surgimento das vacinas, a mais de 200 anos, na Inglaterra contra a Varíola, me fez pensar: Imagino como no passado era realizado as administrações medicamentosas em seringas rudimentares na população, com os vidros reutilizados.
Na década de 1970, as primeiras seringas descartáveis importadas chegaram ao Brasil. Um novo material, que iria tornar referencia na fabricação e distribuição desses novos dispositivos médico-hospitalares com mais segurança, as seringas que usamos atualmente, mais resistentes.
As seringas de vidro dispuseram o seu momento de utilidade na escala evolutiva, de utilidade por longo período, mas perdeu mercado para as de plástico/descartáveis.
As de vidro ainda estão presentes, porém, não são utilizadas diariamente para o trabalho, venderam o que se tinha, substituindo a produção artesanal pela importação e após, a fabricação industrializada.
Como caso da BD no Brasil, Becton Dickinson que em 1956 ainda produziam seringas de vidro, porém, acompanharam e seguiram as novas tecnologias, melhorando /aperfeiçoando os seus produtos.
Examinando a escala aumentativa na produção, as empresas provavelmente aumentaram os fatores produtivos utilizados em todo o processo, aumento continuo e permanente otimizando a qualidade do produto, investindo nas inovações, que resultaram em uma queda do custo para cada seringa de plástico (aumentou a produção, diminuiu o valor aquisitivo do produto).
No caso da profissão em extinção, os fotógrafos Lambe-Lambe que retratavam em ambientes alegres, com cenários da natureza, fachadas como pano de fundo, fotografando turistas, casais, crianças, famílias inteiras ao ar livre, em praças bosques, jardins ou enfrente a igrejas. Usavam acessórios como cavalinhos de plástico ou pônei. Os retratistas com suas imagens/fotos com a máquina de tirar retratos de famílias, de sonhos… Profissão que era mais que uma prestação de serviço. O profissional daquela época era identificado como fotografo Lambe-Lambe, profissão importante, ele estava sempre em sintonia com seus próprios registros, ele quem posicionava seus clientes, na melhor angulação para a foto ficar bonita. Tinham e demonstravam paixão pelo seu serviço que realizavam de situações reais do cotidiano.
A fotografia se tornou acessível a todos, virtudes deles, hoje até o nome mudou, de Fotografia, atualmente intitulada Selfie, pela nova geração.
Uso essa pesquisa com proposito de relembrar e homenagear, com reconhecimento desta bela/memorável profissão que deixou de existir, também evoluiu seu processo de trabalho, transformada, abrindo espaço para os fotógrafos de estúdios, profissão reconhecida legalmente, no atual presente, usam outros equipamentos modernos e não mais a máquina tripé, até a câmera analógica é produzida em larga escala, como já foi no retrógrado, não tão distante, perdeu mercado e produção para a digital, e os celulares que possuem câmeras de alta resolução.
Um ponto mensurado neste trabalho, observei que geralmente, comum aparecer o inicio da fabricação, o lançamento do produto ou profissão, mas á poucas referencias com relação a sua extinção ou desaparecimento no mercado, e o motivo que levou a perecer. Tornando minha pesquisa mais extensa, sempre com ênfase no ano de origem.
A maioria dos profissionais Lambe-Lambe, fotógrafos foram anônimos; trabalhando nas ruas e praças das cidades brasileiras ao longo de todo o século, esse fotografo/retratista foi considerado agente responsável pela democratização e popularização do retrato fotográfico entre as classes menos privilegiadas da nossa sociedade. Não abordei o contexto socioeconômico da referida época, devido ao grande conteúdo, pois essa profissão perdurou por um século ou mais.
Ambos, produto e profissão, aqui expressos, como minha conclusão final, foram fundamentais, valiosos para o andamento da sociedade, demonstrando um grau de importância favorável com aspectos positivos.





Referencias:

Portal PUC-Campinas » Fatos Hitóricos – Década de 1970
https://www.puc-campinas.edu.br › museu-anterior › fa…


Conheça a história do surgimento da seringa | SOL …
https://sa.sol-m.com › Notícias › Artigos


Anos 70 | Educa Mais Brasil
https://www.educamaisbrasil.com.br › … ›

Nossa História – BD NO BRASIL
© 2021 BD. Todos os direitos reservados. Salvo disposição em contrato, BD, o Logo BD e todas as outras marcas comerciais são de propriedade da Becton, Dickinson e Companhia.

Globo.com G1
Por Camilla Motta (*), G1 Vale do Paraíba e Região
12/10/2017 12h20 Atualizado há 3 anos


Home > Sem categoria > Dia do Fotógrafo: conheça um pouco sobre a história da fotografia e os desafios da profissão
8 de January de 2015
Publicado por Redação

Acervo Estadão
As imagens podem ter direitos autorais. Saiba mais Imagens relacionadas:

YouTube

Brasil (manhã) – Projeto resgata profissão de fotógrafo lambe-lambe no Rio
Assistir (2:45)
Enviado por: tvbrasil, 5 de nov. de 2012




ll the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License
Depto. De Artes Plásticas / ARS
Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443
05508-900 – São Paulo – SP
Tel. (11) 3091-4430 / Fax. (11) 3091-4323
ars@usp.br







Diga-nos o que achou do post: