Um convite a ser livre

Pensamos demasiadamente no nada às vezes.

Acreditamos que não há muitas opções de escolhas.

Sentimos a insuficiência de nós mesmos; somos escorregadios e intransigentes.

Refletimos o reflexo de nosso olhar miraculoso, e saudamos nossa falta de apetite vital…

Conversamos secretamente com nossa desregulação emocional e  a alimentamos com nossa suposta adrenalina que inibe nós mesmos de nossos deveres e nossas responsabilidades. E não só uma responsabilidade como sentença meramente declarativa e lida sem efeito, mas uma responsabilidade carregada de sentido e de capacidade de se concretizar.

Se somos avessos à perfeição é porque buscamos o desgaste da responsabilidade como uma transgressão. E, dessa forma, encolhemo-nos em nós mesmos e refletimos tal desmedida. Somos, então, agora uma imagem recalcada de nossa indisciplina e de nossa teimosia.

Se pudéssemos repensar o conceito do que não se pensa em olhar digital, poderíamos cativar nosso instinto rebelde.

Seríamos a criatividade da reflexão; de nós por inteiro.



Formada em Letras/ Latim. Revisora textual e escritora.

Diga-nos o que achou do post: