Todo ser humano é inteligente.

Irei começar esse artigo com uma frase atribuída ao Albert Einstein (1879–1955), mas que algumas pessoas não consideram ele o autor, “Todo mundo é um gênio. Mas se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ele vai viver toda a sua vida acreditando que é estúpido”.

O que devemos perceber com essa frase é basicamente que somos todos inteligentes, não apenas quem estuda e obtém um diploma, esse diploma de nada importa para sua inteligência, apenas tem garante uma formação para um emprego melhor, coisa que também não é garantida quando se formar.

Há espalhados pelo mundo centenas de pessoas com um grande potencial de aprendizado, mas que não desenvolvem por se acharem incapazes de aprender sozinhas ou sem algum professor, mas a vida já é um ótimo professor. Você pode aprender mais em uma conversa de 1 hora com uma pessoa do que 1 mês em uma escola.

Uma conversa por mais simples que seja te leva a conhecimentos que nenhum docente te ensinaria, isso é claro se for seguir as normas educacionais.

Por que uma pessoa que não é formada não seria tão inteligente quanto um diplomado em determinada área?

Vamos lá, a definição de inteligência pode tomar dois rumos, a inteligência definida pela capacidade de conhecer, compreender e aprender e a capacidade de compreender e resolver novos problemas e adaptar-se a novas situações.

Mas há muitas outras formas de inteligência, sendo algumas já são bastante conhecidas como a emocional, analítica, abstração, logica, planejamento, entre outras e você com certeza se encaixa em alguma delas.

O Quociente de inteligência ou QI é um valor obtido por meio de testes desenvolvidos para avaliar as capacidades cognitivas de uma pessoa, mas isso não ira dizer se você é ou não inteligente, ele só te da por base o resultado de um teste.

Por que então é essa medida usada para medir a inteligência? Para dizer a verdade eu não tenho uma resposta concreta, mas uma afirmação do jornalista Walter Lippmann (1899-1974) define muito bem tal medida “Eu odeio a insolência por trás da afirmação de que cinquenta minutos podem julgar e determinar a aptidão predestinada de um ser humano para a vida. Odeio a sensação de superioridade que ela cria, e a sensação de inferioridade que ela impõe.”.

Realmente não tem como julgar uma aptidão com base em um teste de cinquenta minutos, não tem nem mesmo como se condenar por isso, um simples teste não consegue medir sua inteligência em todas as formas e definições.

Vamos a seguinte situação, imagina que estamos em um grupo perdido na floresta, nesse grupo há um indígena, um médico e um estudante de meteorologia ou ciência atmosférica, como preferir chamar.

Nesse grupo não devemos classificar apenas o medico como inteligente só por ter um diploma, o indígena pode usar seus conhecimentos obtidos para sobreviver em um lugar que poucos conseguiriam, o medico pode usar seus conhecimentos em caso de ferimentos e o estudante pode usar seu conhecimento sobre os fenômenos atmosféricos para analisar o clima de uma forma mais especifica.

Nesse caso todos são inteligentes, mas cada qual em um assunto distinto, se formarmos um grupo ainda maior veremos outras formas de inteligência, mas quero deixar isso de uma forma mais simples.

Em uma sociedade, independente de qual seja há indivíduos que podemos classificar como gênios ou superdotados, ou seja, geralmente são polímatas – seguindo a definição nua e crua “aquele que aprende e domina muitos temas”. Leonardo Da Vinci (1452-1519), Isaac Newton (1642-1726), Albert Einstein (1879-1955), Marie Curie (1867-1934) e Confúcio (551-479 A.C),são alguns, isso só para citar os estrangeiros, em nosso país podemos classificar como polímatas Dom Pedro II (1825-1891), José Bonifácio (1763-1838) e Enéas Carneiro (1938-2007), essa lista é extensa e aqui apenas citei alguns dos que considero muito importante.

Não precisa ser uma figura publica ou ter um diploma para ser um polímata, se você domina com destreza mais de um tema pode se enquadrar nesse grupo, mas também lembre que não é só saber o básico e sim saber muito.

Mas essas pessoas na qual citei são superdotadas de uma inteligência que advém de um diploma, de alguma descoberta cientifica ou de invenções.

Mas é aquela senhorinha do interior do país que realiza trabalho como parteira também é inteligente, aquele estudante que trabalha em uma fabrica e ainda tem tempo de estudar também é inteligente, o pedreiro que constrói uma casa também é inteligente, todos nos somos dotados de inteligência basta você saber qual a sua e se possuir vontade aprender novas também.

Com a internet e os aparelhos tecnológicos cada vez evoluídos ficou ainda mais fácil de aprender ou se aperfeiçoar em algo, hoje se encontra tanto cursos e aulas de graça quanto pagos, você pode ate aprender a construir um motor de carro pela internet, obvio que não se aprende da noite para o dia.

E em relação às escolas e universidades, a nota obtida em provas não ira definir o que se aprendeu, basta ver que os alunos possuem diversas dificuldades, mas que não faz dele menos inteligente, alguns conseguem expor suas ideias mais facilmente de forma escrita e outros de forma oral.

Tem quem se martiriza por tirar uma nota baixa em alguma matéria que possua dificuldade e acaba desanimando de um curso por se achar insuficiente, minha dica para você que está na universidade e desanima por nota baixas é que se possível tire notas para passar e se formar, sua inteligência não vêm de uma simples nota na prova, quando estiver com o diploma você vera que aprendeu muito mais do que imagina, as provas apenas serviram para você chegar ao fim do curso e não esqueça que quem sempre tirou 10 passou e se formou junto com quem sempre tirou 7.

Para finalizar esse tema, não se ache insuficiente para nada, todos nos somos seres dotados da capacidade de se aprender e quando se aprende não é do dia para noite, se você não domina um tema como, por exemplo, economia, de nada adianta já ir procurar assuntos como econometria se não aprendeu o básico ainda.

Toda jornada começa com um simples ato e se não sabe por onde iniciar ela inicie lendo 2 paginas de um livro por dia, assistindo uma vídeo aula ou conversando com alguém, mas lembre-se que você é inteligente e esteja sempre disposto a aprender.



Paranaense, Estudante de ciências econômicas e historia, formado em Logística e MBA em gestão de projetos. Leitor assíduo de filosofia e politica.

Diga-nos o que achou do post: