Toda vida atravessa uma luta em silêncio

 

Diante de um olhar subjetivo, que possamos aprender a vencer os nossos erros e temores.

Toda vida atravessa uma luta em silêncio: com o tempo, com o clima, com os acontecimentos, com as pessoas.

Entretanto, a luta mais acirrada de atravessar é quando nos enfrentamos.  Pois temos o costume de olhar para os lados, e muitas vezes nos esquecemos de olhar para dentro. E quando direcionamos a atenção para o que está dentro, é no raso que a nossa visão se firma e se acomoda.

A profundidade na travessia é caminho que a grande maioria não consegue percorrer. Visto que não é todo mundo que está apto a seguir essa jornada, muito menos se interessa em aprender. Conquanto não dá para fugir da realidade, porque toda vida atravessa uma luta em silêncio.

Nesse sentido, sinto a necessidade de melhorar os meus impulsos, fazer valer os meus acertos, dos quais levaram tanto na cara; sapecados pelo medo, pelas decepções e até procrastinação. Assim sendo, embebo os meus erros lentamente para poder arrancá-los em sua raiz; erva daninha sempre volta quando o trabalho de expulsão não é realizado com esmero e dedicação.

Dito isto, não questiono o tanto quanto, ou como, você deve fazer a sua travessia nem o quanto de você está empenhado nesse propósito. Só você sabe os calos que tem, a dureza dos sapatos ou a leveza do chão. Só você sente a chuva que molha e o sol que enxuga, o brilho das noites e as sombras do dia.

Ainda que a curiosidade humana, tombada pelas inquietantes falhas inerentes em cada ser, ainda que eu deseje avidamente saber o que do outro vem, não me compete ir além. Paraliso-me por respeito às flores e espinhos alheios.

Ademais, todo mar carrega segredos colossais; é preciso ter ar para navegar. Pois compreendo que todo passo é uma descoberta. No meu caso em particular, busco treinar a respiração para mergulhar cada vez mais fundo em mim.



Recife (Pernambuco) é a sua terra natal. Formada no curso de Letras, embora nunca tenha exercido a profissão, Gil Buena começou a desenvolver o gosto pela escrita ainda quando era adolescente. Nessa época, escrevia alguns poemas e textos eventuais. Pouco tempo depois, passou a escrever histórias infantis e para adultos, como também peças teatrais, ao qual escreveu, dirigiu e apresentou uma peça teatral no Maranhão. Participou de um evento cultural na Alemanha, na cidade de Hamburgo, onde foi convidada a participar de um recital de poesias juntamente com alguns poetas, brasileiros e alemães, sendo parabenizada pelos poemas. Atualmente, tem um livro publicado na Amazon.com. Fez parte de antologia poética internacional em Lisboa, Portugal, e de algumas antologias poéticas em Recife e Olinda. Sua grande paixão é a escrita, teatro, livros, viagens, músicas, família e amigos.

Diga-nos o que achou do post: