Sobre desacelerar

A palavra desacelerar nos tempos atuais soa quase que de forma poética e surreal. A rotina exacerbada de trabalho, tarefas e compromissos diários tem aumentado freneticamente e a impressão é que o dia precisaria ter muito mais do que 24 horas para que toda sua lista fosse cumprida. Essa é a vida de mais da metade da população.

Li uma frase certa vez que me marcou profundamente: “ Passamos tanto tempo lutando para viver, que ficamos sem tempo de viver”, e isso é uma grande verdade. É tanta informação para digerir, tantos padrões para se encaixar e tantas cobranças que a gente tem que suprir, que deixamos simplesmente de viver para simplesmente existir.

A ânsia de querer ser igual a alguém “bem sucedido” nos torna escravos de exemplos que nem sempre servem para nós ou são para nós. Será que você já parou para pensar porque você corre tanto? Há realmente a necessidade dessa corrida? O tempo gasto está valendo a pena? Preciso realmente fazer tantas coisas o tempo todo?

O convite para essa reflexão não significa que devemos parar. Nem sempre as coisas feitas em um ritmo lento dão certo, às vezes a corrida é necessária. Não existe apenas uma velocidade em que devemos proceder em nossas vidas e em todas as atividades. A reflexão que precisamos fazer e com certa urgência está relacionada muito mais a qualidade do que quantidade, consequentemente, realizar uma autoanálise sobre o ritmo que você desempenhe melhor. Em outras palavras, você não precisa largar a carreira ou jogar o celular para desacelerar. Pode pegar leve, em qualquer lugar. É uma questão de usar o tempo mais sabiamente.

Que possamos dominar a forma de como viveremos nossa história. Que a gente consiga selecionar tudo o que realmente importa e se correr não está te deixando sentir os milagres diários, pense melhor sobre o tempo.

Fiz esse exercício e continuo com todas as minhas atividades. Mas não hesito em fechar meu notebook para curtir um bom momento com minha família e amigos.

E dessa forma me sinto mais capaz de desfrutar cada momento. Estou vivendo minha vida em vez de passar correndo por ela.

E que você corra ou desacelere, mas que nunca apenas passe.



Pedagoga, Psicopedagoga, Folclorista, Escritora, Catireira- nascida e criada em Araçatuba, interior de São Paulo

Diga-nos o que achou do post: