Se você está a passeio nessa vida, a passagem vai sair cara

A vida possui um tempo pré-determinado e com isso temos o dia certo para nascer, assim como para morrer, certo ? Para responder a essa questão aparentemente simples, primeiro se faz necessário entender os conceitos e diferença entre vida e atual existência.
Para algumas pessoas vida é a existência do ser dentro do intervalo de tempo entre a concepção biológica e a morte.
Já não podemos nos permitir tal infantilidade como matéria prima de nossas concepções sobre as questões existenciais, pois as experiências humanas tem revelado um mundo cheio de possibilidades que a todo instante descortinam novas realidades como respostas para muitas dúvidas que por vezes nem percebemos que temos.
Quando falamos de avanço, logo nos vem a ideia de ciência ou tecnologia, o que de fato não deixa de ser uma vertente, porém elas são apenas resultados da nova forma de pensar, perceber, reformular, reinventar, experimentar, descobrir, redescobrir, conhecer e se permitir na inserção do avanço como um todo, sem deixar prevalecer a fração. Buscar nosso próprio endereço na jornada do autoconhecimento faz toda a diferença para entender nosso papel nesse contexto chamado vida.
Estabelecer objetivos pessoais ousados, vai determinar muito de nossa capacidade de superação como espírito arguto. Todo fazer, pressupõe riscos, porém não fazer significa fatalidade, por isso não devemos dar crédito as possibilidades de erros, aliás, erro é matéria prima nobre do aprendizado e na contabilidade de nossas experiências, na relação crédito x débito, o saldo final vai ser sempre positivo, vai depender da forma com que lidamos com os erros e da maneira com que tratamos o sucesso.
Existe todo um universo que conspira em nosso favor e que avaliza tudo o que nele está contido por uma única razão; a vida. A vida que não cessa com o final da matéria, a vida que já existia antes da formação da matéria na atual existência, a vida que cumpre seu estágio diante dos inúmeros outros a que já vivenciamos e aqueles que ainda vamos experienciar. Portanto, diante da infinidade de todo esse contexto, ainda encontramos aqueles que reduz a grandiosidade da vida com reclamações, pessoas que fazem da antipatia o ponto que mais lhe propicia prazer, mestres na arte de não fazer amigos. Pessoas que repudiam o trabalho, hostilizam o estudo renegando as habilidades que lhe foram confiadas, pessoas jugam a tudo e a todos sob a pretensão de se acharem exemplos de perfeição. Ainda aqueles que negligenciam a lei natural do retorno, a lei da ação e reação, a lei de causa e efeito. A natureza não dá saltos.
Não sei se pior ou tanto quanto absurdo, ainda aqueles que levam a vida com indiferença a tudo, relapsos com sua própria existência sem a preocupação em melhorar-se a cada dia, aceitando uma rotina medíocre como um amontoado de células que ocupa um lugar no espaço, receptivo a qualquer realidade que venha comprometer seus valores por ausência de autoestima. Pessoas que se permitem ser influenciadas pelas más inclinações com um alto grau de facilidade. Pessoas que se vendem, se trocam e se doam ao acaso, e justamente por se corromperem pelo vazio é que atribuem sorte aos que através do esforço justo e honesto, conseguiram determinadas conquistas. Entendendo por sorte, aquilo que os esforçados fazem na incessante busca por seus objetivos, e falta naqueles que se comprazem apenas no reclamar.
Os que entendem o verdadeiro sentido da vida, procuram ficar sábios antes de envelhecer, para não envelhecer sem ter conhecido a sabedoria perdendo a maior oportunidade de sua atual existência.
Se você está a passeio nessa vida, a passagem vai lhe sair cara.




Mercadólogo, consultor comercial, teólogo, coach, psicanalista.

Diga-nos o que achou do post: