Se algum dia você esbarrar em mim na rua…

Como você completaria essa frase? Pois eu diria que apenas me desculparia e seguiria meu caminho e você me acharia estranha, no mínimo. Pois hoje é feio se desculpar, desejar bom dia com um sorrisão no rosto, cumprimentar ao motorista de ônibus com os mais sinceros votos de que ele(a) tenha um dia excelente, lindo, glorioso e que seu trabalho seja sensacional. Precisamos ter uma conversa muito séria sobre isso, você e eu.

Todos os dias, quando acordo, saio cedinho da cama para ver o sol nascer e lhe dar bom dia, cumprimento a todos por quem passo ao andar na rua, peço as coisas com por favor e muito obrigada pontuando minhas frases. E, antes que venha com o discursinho batido de que talvez eu venha de berço de ouro, pode parar! Uma coisa tem nada a ver com a outra.

Esta  que vos escreve não teve tal privilégio. Estudou e estuda ainda em escolas públicas a vida inteira. Uma coisa é você ter grana o suficiente para ter um tutor de piano particular e um piano de cauda no meio da sala desde que nasceu, outra coisa muito diferente é ter noções básicas de gentileza e respeito – por si e pelo próximo.

Costumo dizer, quem me conhece sabe bem disso, que o que nos diferencia dos demais animais é o respeito: eles sabem o que é isso desde que nascem, nós, por outro lado, temos que aprender ao longo de muitos anos e, alguns jamais realmente aprendem o que é, como se pratica e por qual motivo fazer tal coisa.

Demonstrar respeito e gentileza está fora de moda há vários anos, infelizmente. Essa moda precisa voltar o quanto antes para que as pessoas consigam voltar a transitar mais calmamente nas ruas, possam conversar mais com o vizinho de banco no trem, tenham condições de se entrosarem mais.

Pessoas entrosadas trocam ideias. Ideias trocadas levam a outras ideias, as quais levam a outras pessoas, as quais  formam grupos de interesses comuns, os quais debatem, trocam experiências, ensinam coisas uns aos outros e todos são enriquecidos, talvez não de bens materiais, mas de alma, de conhecimento, de possibilidades, de inovação, de coisas que não têm preço e sim valor.

As pessoas fortalecem umas às outras e famílias, bem como comunidades inteiras saem ganhando: pessoas fortes são necessariamente pessoas que buscam soluções. Tanto faz que seja uma ação comunitária para consertar os brinquedos do parquinho infantil na pracinha do bairro e mandar a conta para a Prefeitura ou exigir a criação e manutenção de um centro comunitário recreativo para os idosos da região.

Comunidades fortes, quando em grupo, formam cidades fortes. Cidades fortes geram Estados fortes. E estes geram um País forte. Tudo graças ao respeito e à gentileza. Pois, se eu me respeito, não permito que a comida no meu prato tenha agrotóxicos nocivos à minha saúde e à da minha família, por exemplo, e tampouco permito que sua qualidade seja inferior do que o projetado pela Natureza.

Se respeito meu vizinho, vou cuidar daquilo que é meu para cuidar e evitar acidentes e prejuízos tanto para ele quanto para mim, e celebramos isso através de uma relação feliz e duradoura. Parece simples, não? E de fato o é.

Notou que não é necessário ser o Super Homem ou a Mulher Maravilha para reinserirmos gentileza e respeito em nossas vidas? Quase tudo nessa vida se trata de prática. E quando praticamos bastante, se torna uma segunda natureza.

Tente começar com um bom dia. Dói dizer bom dia? Se sentir-se muito confiante e até mesmo ousado (a), também pergunte como vai a pessoa a quem fala, ou lhe deseje bom trabalho ou bons estudos.

Pode parecer estranho no início, mas, com o tempo, parecerá que nasceu fazendo isso! O resultado prático disso em médio prazo são relações mais leves, mais sorrisos, mais disponibilidade e boa-vontade entre as pessoas.

Mas, o que isso tem a ver com Educação?- você me pergunta. Tudo! – eu lhe respondo. Pessoas mais gentis e respeitosas também agem mais respeitavelmente dentro e fora do ambiente escolar, o que melhora não apenas o rendimento de quem estuda, como também sua autoestima, seu senso de valor próprio e o quão longe consegue projetar suas perspectivas. São capazes de aprenderem melhor e em maior quantidade, com muito mais profundidade e significado. Por serem fortes, inteligentes, confiantes e saberem disso.

Para quem trabalha em tais ambientes, o trabalho se torna menos cansativo, mais recompensador e a coesão do grupo é muito maior. Equipes unidas prosperam e florescem, mesmo em face às adversidades mais medonhas. E então tornam-se verdadeiras forças da Natureza: nada é capaz de vencê-las.

Repare que todas essas pessoas estão empoderadas pelos forças de gentileza e do respeito. E são apenas isso, pessoas, indivíduos, gente normal, como você e eu. Pessoas, eu repito. Uma vez fortes o bastante, se tornam, individualmente, como besouros: irrefreáveis, capazes de vencer qualquer distância, qualquer condição adversa, qualquer obstáculo. E, você sabe que o besouro é um tanque de guerra em miniatura da Natureza, certo? Só é possível tirá-lo de sua rota ou missão ao matá-lo.

Imagine o que seria possível fazer com esse tipo de foco e determinação ao estudar, ao trabalhar, ao brincar, bom, não importa muito a área da vida. Isso seria quase um superpoder, não é mesmo? Se você gostaria de conseguir esse superpoder, permita-se praticar mais essas duas pequenas e valiosíssimas palavrinhas. Conte-me nos comentários como pretende fazer isso, beleza?



Estudante da vida e suas conexões, professora por ofício e vício, pesquisadora por necessidade, ajuda as pessoas a atingirem suas metas de modo personalizado, barato e sem justificativas usando a Educação como principal ferramenta.

Diga-nos o que achou do post: