SABER – DO – RIA Segundo Filósofo Nilo Deyson Monteiro Pessanha

” Não se iluda com seus conhecimentos até aqui, pois você pode precisar de uma dose mais forte para não morrer – Nilo Deyson ”

Somos objetivos, direto ao assunto, portanto, você é uma pessoa de boas energias, pois o universo lhe trouxe até este artigo para lhe entregar uma consciência necessária.

Somos extremamente limitados, porém, infinitamente poderosos em nós!!!

Fique atento ao que você vai ler aqui para decidir seu turno enquanto vida no momento oportuno em que precisar de recursos em sua consciência como dimensão de realidade.

Não se prenda em um mundo limitado onde a vida até aqui ditou regras para você, impedindo seu progresso como passagem na existência humana. Você não deve sua vida absolutamente à ninguém, nem aos deuses, quiçá a religião. Você é livre, dono de seu destino, estando condenado à liberdade. Para quem é que você faz o que faz? Por qual motivo você acredita no que acredita? Você pode provar aos outros que você está certo em crer naquilo que põe fé? Você sabe o que é você exatamente? Quem é você? Acredite, você errou.

Sua busca vai continuar até que você tenha talvez, dimensão de consciência sobre sua insignificância, percebendo que você não é nem seu nome, quiçá sua indentidade; logo não possuí ligação alguma com seu condicionamento como experiência e sensações em cadeia.

O universo sim, é uma coisa linda, extremamente difícil e muito complexa para ser compreendido, porém, é nele que vivemos, portanto estamos como indentidade ligados ao infinito energético do universo.

Poeiras cósmicas seríamos nós? Átomos? É preciso humildade de espírito para saber que nada daquilo que temos por conhecimento condicionado pela religião é verdadeiro. No teatro da vida, quem nos garante ser verdade das coisas? Você foi enganado pelo sistema!

Crendices, mitos, dogmas, obrigações, sacrifícios, tudo é muito bonito no âmbito teatral das religiões, entretanto, para o seu desespero e desilusão, somos cada um de nós, livres, sós em nós mesmos sem guru, sem mestres ou ombros de gigantes para ficarmos de pé visando enxergar longe.

Estamos na geração mi-mi-mi, onde todos são muito sensíveis em suas paixões partidárias, religiosas, ideológicas, sim, em toda a terra, vejo adultos infantilizados. Ninguém pode se opor que logo começa discórdia, desentendimentos e em última ignorância, até violência. Todos querem ser donos da verdade última e absoluta, mas são meros pobres famintos da consciência primeira.

Não é fácil explicar que o observador atua antes do ser condicionado, isto é, dentro de você, fora da sua indentidade, fora do ser condicionado pela experiência, onde ali, fora da linguagem, tudo é silêncio. Entretanto, fica para última instância o modo de pensar a consciência primeira, focaremos portanto, aqui por enquanto, no que você precisa para ter uma vida digna a priori.

A dignidade humana só alcança os despreocupados com as obrigações e impedimentos. Isso não significa ser relaxado com a ética e com a moral, pelo contrário, a liberdade é autêntica, assim sendo, o sujeito enquanto turno em vida, buscará o conhecimento e deverá aprimorar o bem, a responsabilidade com o espaço do outro no sentido de compreender e respeitar a diversidade.

Somos uma energia no universo, logo atraimos energias relacionadas ao nosso consumo, isto é, surgirá das nossas inclinações os tópicos consequentemente pelas tomadas de decisão dentro desses limites. A consciência, quando ampliada no sentido de conhecimento de nós mesmos e do próprio universo, cria probabilidade de boas energias. Somos o que podemos ser de sonhos que podemos ter. Não há o que perder ao se perder das crendices e mitos, uma vez que, nenhuma coisa boa torna torna seu possuidor feliz, à menos que sua mente esteja habituada com a possibilidade de perda. Nada contudo se perde com menos desconforto do que aquilo de que, quando perdido, não se sente falta.

O problema dos adultos infantilizados é discutir política com fanatismo e ódio. Ficam a discutir religião com deboche escondido em panos internos em relação a fé alheia. Brigam por futebol ou por quaisquer ordem que for, é um problema estrutural. O universo te entrega aquilo que você oferece ao universo. Será que o universo terá que exterminar com essa humanidade para entregar o planeta à outros tipos de energia “vida”? Parece loucura tal pergunta. Contudo, Rui Barbosa se fosse Deus talvez faria isso, pelo menos deixou claro na oração dos moços, estar envergonhado em ver tanta desordem entre os homens.

Enfim, o universo é uma energia, bem como a natureza e nós mesmos. Portanto, tenhamos essa coisa tida por reflexão: Em que preciso eu, para influenciar o universo positivamente? Será que a minha presença, melhora a vida das pessoas em minha volta?

O universo é imenso e complexo, você porém, é livre. Sigam em paz rumo ao topo do ápice de seu espírito no turno enquanto vida.

 

 

 



FILÓSOFO, ESCRITOR, POETA, COLUNISTA & PALESTRANTE. Fundador da Filosofia da imparcialidade participativa. Autor do livro de Filosofia Todos os Corações do mundo, e do Livro O Teatro da vida e a interpretação das coisas, quem nos garante ser verdade das coisas. Membro de diversas instituições culturais como por exemplo, é imortal acadêmico da Academia de Letras do Brasil seccional Campos dos Goytacazes, é imortal Acadêmico da Academia Pedralva Letras e Artes, ocupante da cadeira n°17 , Fundador do NAISLA, Núcleo Acadêmico Italiano di Scienze, Littere e Arti. Membro de diversas instituições. Nilo Deyson Monteiro participou de diversas antologias, periódicos e muitos de seus trabalhos acadêmicos estão no Google ao pesquisar Filósofo Nilo Deyson.

Diga-nos o que achou do post: