Por que é tão difícil mudar a alimentação?

Esses dias conversando com minha irmã sobre mudanças na alimentação ficamos nos perguntando: por que a pessoa mesmo sabendo o que deve comer, e até com aquele alimento em casa, acaba comendo o que não pode, mas está habituada?

Novamente na semana seguinte parei na mesma questão. O médico me perguntou se eu já havia feito mudanças na alimentação. Eu, deitada na maca, esperando pela medição da pressão me questionei o porquê novamente eu estava escutando aquilo se eu sabia que precisava mudar e tinha consciência da importância dessa atitude. A mesma questão: porquê continuamos a fazer o que estamos habituados, mesmo sabendo que aquilo não é bom para nós?

Uns dias atrás escrevi sobre a dificuldade que temos em sair de relações que nos fazem mal. Apontei o apego como o grande obstáculo e fico pensando se esse apego ao que já conhecemos também não é o que nos impede de mudar. Nos acostumamos com o gosto de algo, ficamos acomodados com as ações realizadas e preferimos o piloto automático a fazer algo diferente que nos leve para uma nova direção.

Nosso cérebro prefere realizar as atividades cotidianas com a menor energia possível. Por isso, o caminho já conhecido é sempre a primeira opção. É o que chamam de piloto automático. Você levanta, escova os dentes, olha no espelho e vai para cozinha tomar seu café da manhã. Pode fazer tudo isso pensando nos boletos do mês ou nas férias que se aproximam. Não precisa ficar dando comandos: colocar a pasta de dente na escova, levantar a escova, levar à boca… Quando algo precisa ser mudado, não é possível continuar usando esse piloto automático. Você precisa estar focado, atento, então… acabamos preferindo fazer sempre as mesmas coisas. É mais fácil, economiza energia. No entanto, não mudamos.

Mudar a alimentação não exige só força de vontade como tantos gostam de alardear. Se fosse fácil assim, por que tantas pessoas sofrem com dietas que não vão pra frente? Justamente porque é preciso estar consciente e vigilante em cada momento. Qualquer preocupação no meio do caminho te tira do foco e pronto: lá está você colocando açúcar no café. Acredito, então, que é necessário estabelecer essa mudança como prioridade de TUDO. Eu disse tudo mesmo, pois qualquer descuido você estará novamente fazendo que tem o hábito, o apego de fazer. Desapegar-se de velhos hábitos não é para os fortes ou corajosos, mas para os persistentes e vigilantes. Estabeleça a mudança como prioridade e foque nela. Não tire o olho nem por um minuto. Quem sabe essa não possa ser uma receita para o sucesso?



Carioca apaixonada pelo mar e pelas montanhas, hoje vive em Belo Horizonte e é mineira de coração. Ama livros, literatura, cinema e música. Vive uma busca constante em aprender e explorar o mundo, mas cada vez mais se volta para o autoconhecimento e a autocura. Escreve desde sempre: crônicas, resenhas, artigos literários e artigos diversos. Já foi revisora de livros e professora. Agora dedica-se a ler e escrever.

Diga-nos o que achou do post: