POESIA INCÓGNITAS Em DUALIDADE

Em que consiste tentos recíprocos dados pela energia que emerge de uma conexão infalavel ? Nossas estradas cortam montanhas, sobe, desce em curvas para chegar onde o solo é engolido pelo horizonte, para se perder, sem perceber chegamos mais uma vez.

O divino empresta um cenário no universo silêncio, onde posso te fazer tocar os céus com o dedo e, com a ponta dos lábios beijar as estrelas, maravilhosa Veneza onde correm suas águas convidado ao espanto.

Neste lugar fora da terceira dimensão, delire em sentir-me dentro de ti, entre em transe, mágica sensação onde pode vê, enxergar estrelas e galáxias distantes ao se permitir, toda atmosfera além daqui, energia cósmica, relaxa, é hora de subir…

Repare daqui de cima, como tudo perde sentido, veja como quem assistindo, quanto nada existe lá embaixo; portanto, não olhe para o lado, vire-se costas para mim para vê em sua frente a emoção de como é subir.

Morder os lábios não vão adiantar, quiçá abrir a boca, pode até gritar, mas a subida dá um frio na barriga e o clímax na solidão é saber sentir, suportar a emoção que até dói esse prazer, mas no  final de tudo nunca mais vai esquecer os motivos da reciprocidade dados na dualidade entre as partes.

Por fim, faça silêncio, não registre esse momento onde vai ocorrer o……………………………pronto, passou -se o principal instante onde dois cometas de uma mesma estrela em órbita, na constelação de……………… i, deu interferência da conexão, não registrou para o mundo profano…

Nem precisa, lá embaixo é só engano, enquanto que aqui os olhos contemplam como fundo de pano, essa grandeza das galáxias, essa energia cósmica que nos une como partes, em tentos recíprocos que na individualidade, partes da dualidade em estradas que cortam tempos, caminhos do eterno retorno…

 

Nilo Deyson Monteiro Pessanha

 

” Vire-se para frente, incline o corpo para deslocar-se da terceira dimensão à caminho do clímax, eclipse de cometas sobre o sol, decole sem temer em subir, ainda que vire os teus olhos, jamais verás o mundo do mesmo jeito após subir às estrelas…”

 

Sigam a página:  Poeta Nilo Deyson Monteiro Pessanha

 

” Quando ver tudo ficando escuro, sentindo em você um desejo profundo, não exite em ser você, faça o que souber fazer para ter a plenitude dessa experiência em crescer por saber apreciar o silêncio no espaço, no universo, fica pra você…”



FILÓSOFO, ESCRITOR, POETA, COLUNISTA & PALESTRANTE. Fundador da Filosofia da imparcialidade participativa. Autor do livro de Filosofia Todos os Corações do mundo, e do Livro O Teatro da vida e a interpretação das coisas, quem nos garante ser verdade das coisas. Membro de diversas instituições culturais como por exemplo, é imortal acadêmico da Academia de Letras do Brasil seccional Campos dos Goytacazes, é imortal Acadêmico da Academia Pedralva Letras e Artes, ocupante da cadeira n°17 , Fundador do NAISLA, Núcleo Acadêmico Italiano di Scienze, Littere e Arti. Membro de diversas instituições. Nilo Deyson Monteiro participou de diversas antologias, periódicos e muitos de seus trabalhos acadêmicos estão no Google ao pesquisar Filósofo Nilo Deyson.

Diga-nos o que achou do post: