Pedofilia: O que leva uma pessoa a desenvolver essa psicopatologia ?

Como psicanalista, procurei imergir em águas mais profundas nesse assunto a partir de uma indagação de uma colega de sala em meu curso de psicologia.  O que faz uma pessoa adulta investir sexualmente em uma criança de seis anos ?

Existe um movimento de estudos que evoluiu muito nos últimos anos na Alemanha em cinco centros de pesquisas, porém existem outros países imersos  em relevantes estudos como: Escandinávia, Canadá e França.  Um dos cinco centros de pesquisas citados na Alemanha, Clinica Universitária de Schleswig-Holstein (UKSH), é o único que conta com a tecnologia do IRM (Aparelho de ressonância magnética) com capacidade de produzir imagens transversais de partes do corpo, o que habilita observar o cérebro, oportunizando condições reais para exames das atividades assim como a estrutura cerebral sem a intervenção cirúrgica para abrir a caixa craniana.

Tal tecnologia tem dado grandes contribuições para novos conhecimentos nos estudos sobre a pedofilia.  Sabe-se já que o pedófilo tem uma série de anormalidades neuropsicológicas.  Podemos exemplificar um ponto bastante curioso;  foi constatado que o pedófilo quando analisado seu QI (Coeficiente de inteligência) constata-se que é oito pontos menor que a média.  O que desdobra outra faceta dessa psicopatologia, é que a idade da vítima está intrinsecamente ligada com o QI do criminoso sexual, ou seja, quanto menor o nível intelectual do pedófilo, mais jovem é a criança vitimada.

Uma outra curiosidade aparentemente desconexa é que a grande maioria da estatura dos agressores é menor que a média da população.

Mais um ponto observado foi que o pedófilo possui duas vezes mais lesões na cabeça durante a infância que a maioria das pessoas.

Em função de pais acometidos com a revolta gerada por ter seus filhos vítimas da pedofilia, torna-se inaceitável que na medicina sexual, essa psicopatologia é classificada como uma desordem mental, uma doença.  No entanto é importante salientar que só se aplica essa interpretação, se houver danos para a vítima ou para si mesmo.

Algumas interpretações jurídicas em alguns países podem ter pontos de vistas diferentes, a exemplo do novo sistema norte-americano de classificação de psiquiatria que defende ser um distúrbio pedófilo quando uma pessoa tem sua orientação sexual influenciada e direcionada quando criança por meio da vivência de seu meio, o que a faz sofrer recalcando estímulos que mais tarde formarão gatilhos disparados por circunstâncias ou motivações externas.

O cérebro humano possui um mecanismo que consegue por aproximação avaliar a idade de uma pessoa através da leitura facial, o que ativa diferentes programas comportamentais, sendo esse um padrão analógico para os pedófilos.

O exame da ressonância magnética, é apenas capaz de identificar se a pessoa é ou não pedófilo, porém não traz informações sobre as causas, o porquê.  Porém os pesquisadores agora estudam com a ajuda das imagens, buscar informações sobre mudanças na estrutura cerebral com o auxílio de um programa especial para tablete que observa a impulsividade e a empatia.

Vale ressaltar que nesse ponto algumas características inerentes a um psicopata se assemelham com as de um pedófilo, o que abre mais vertentes para um estudo com conclusões mais avançadas.  O fato até então com o qual podemos analisar é que sendo considerada uma doença neuropsíquica ela foi desenvolvida por estímulos recalcados na infância, se manifestando no adiantar da vida em uma fase onde oportunidades externas ofertam motivações específicas disparando o gatilho que anima o potencial pedófilo em suas investidas.



Mercadólogo, consultor comercial, teólogo, coach, psicanalista.

Diga-nos o que achou do post: