Ouse confiar

Esses dias vi um bom filme na Netflix, “O segredo: ouse sonhar”, inspirado no livro best-seller “O segredo” de Rhonda Byrne. A obra cinematográfica de 2020 é classificada como drama e conta a história de uma viúva com três filhos que conhece um misterioso professor que guarda uma informação reveladora e tem uma filosofia de vida bem diferente da sua.

O filme, assim como o livro, tenta mostrar como o pensamento da pessoa pode atrair aquilo que ela deseja e como isso pode ser perigoso considerando os pensamentos negativos que se têm. O próprio nome da história também remete à filosofia da importância do sonho na vida das pessoas. Mas esses pontos são facilmente percebíveis, por isso não é deles que desejo falar.

Uma outra reflexão que o filme traz é a respeito da confiança. Devemos confiar em quem nem conhecemos? Nesse mundo de loucuras e violência em que vivemos podemos acreditar e dar crédito a alguém? Sim. Devemos. E precisamos. A história, na verdade, só se desenrola porque a viúva resolve confiar no professor desconhecido (mesmo que seja por puro desespero e por falta de opções). Ao confiar nele para arrumar o telhado da sua casa, ela aceita que precisa de ajuda e passa a conhecê-lo, com sua visão de vida tão diferente da sua. Isso muda sua vida, sua forma de ver o mundo, além de ajudar os seus próprios filhos.

Não há como viver sem confiar nas pessoas. Claro, muitas vezes pagamos caro por confiar. Sofremos decepções, perdas ou até violência. Mas não é por isso que devemos nos tornar frios e inacessíveis. Pode-se confiar com cautela. Podemos dar um crédito a alguém e não perdemos nada por isso. Quem perde é o outro quando não honra essa confiança. A viúva ensina aos filhos a terem cuidado, a serem cautelosos (tanto que é a própria filha dela quem procura o nome do professor na internet e confirma que ele é quem diz ser). Sendo assim, por que não dar um crédito?

Confiar no outro é uma forma de amar, de respeitar, de honrar o ser humano. O outro precisa retribuir essa confiança sendo honesto, sincero e transparente. A mentira mata a confiança na relação, por isso falar a realidade é imprescindível. Pague-se o preço que for. Ter alguém que confia e acredita em você é um sinal de prestígio, é acolhedor. Confiar em alguém é uma forma de vivermos juntos e saber que não estamos por aqui sozinhos.



Carioca apaixonada pelo mar e pelas montanhas, hoje vive em Belo Horizonte e é mineira de coração. Ama livros, literatura, cinema e música. Vive uma busca constante em aprender e explorar o mundo, mas cada vez mais se volta para o autoconhecimento e a autocura. Escreve desde sempre: crônicas, resenhas, artigos literários e artigos diversos. Já foi revisora de livros e professora. Agora dedica-se a ler e escrever.

Diga-nos o que achou do post: