O PODER REAL DO SILÊNCIO, Segundo Filósofo Nilo Deyson Monteiro

 

Espelho, espelho meu, diga quem sou eu:

” Então, nada se ouviu. ”

Mata teu ego, deixe o iceberg derreter e torne-se parte do oceano. Sempre defendi o conceito de que a vida, pode ser muito melhor se você for simples, humilde e buscar o conhecimento; porém, faça silêncio, não faça alardes para se promover. Se você precisa divulgar seus trabalhos de conhecimento com a finalidade de ajudar outras pessoas, faça isso com simplicidade e de um modo que evite que você seja o centro das atenções, pois os circuitos de consagração social só serão tão eficazes, quanto mais distante passar do objeto consagrado. Aprenda o poder do silêncio e viva em paz com sua consciência. Os sábios prezam pela meditação, estudos, pesquisas e, principalmente pelo silêncio.
Pitágoras nos diz: “Se o que tens a dizer não é mais belo que o silêncio, então cala-te!”
Em provérbios lemos: “Quem muito fala trai a confidência, mas quem merece confiança sempre guarda o segredo.” (Provérbios 11:13)

Quem guarda a sua boca, preserva a sua vida, mas quem muito fala, acaba se arruinando. (Provérbios 13:3)

O silêncio é bom simplesmente por que o verbo é poderoso e se falarmos coisas desconstrutivas, estaremos criando o mal no mundo.
“Evite as conversas inúteis e profanas, pois os que se fazem isso prosseguem cada vez mais para o mal.” (2 Timóteo 2:16)

O ato de falar muito reflete nosso despreparo de controlar o ego, que sempre quer estar certo e imputar o erro no outro, pois quando se acusa e ostenta o erro alheio, ilusoriamente oculta-se o próprio erro:

“- Portanto, você, que julga os outros, é indesculpável; pois está condenando você mesmo naquilo em que julga, visto que você, que julga, pratica as mesmas coisas ou coisas piores.” (Romanos 2:1)

Portanto, a melhor forma para dominar o ego e evitar confusões no seu grupo ou comunidade que faz parte, será calando-se, pois: “- Sem lenha, a fogueira se apaga; sem o caluniador, a contenda morre.” (Provérbios 26:20)

Diante essa instrução, nós não poderíamos omitir a parábola das três peneiras de Sócrates:
Assim inicia a narração:

“- Um rapaz procurou Sócrates e disse-lhe que precisava contar-lhe algo sobre alguém.

Sócrates ergueu os olhos do livro que estava lendo e perguntou:
– O que você vai me contar já passou pelas três peneiras?

– Três peneiras? – indagou o rapaz.
– Sim! – Respondeu Sócrates.
A primeira peneira é a VERDADE.
O que você quer me contar dos outros é um fato verídico?

Caso tenha apenas ouvido falar por meio dos outros, a coisa deve morrer aqui mesmo. Mas suponhamos que seja verdade. Deve, então, passar pela segunda peneira: a BONDADE.
O que você vai me contar é uma coisa boa?
Ajuda a construir ou destruir o caminho, a fama do próximo?

Se o que você quer contar é verdade e é coisa boa, deverá passar ainda pela terceira peneira: a NECESSIDADE.

Convém contar?
Resolverá algum problema?
Ajudará a comunidade?
Poderá melhorar o planeta?
E Sócrates arremata:

Se passou pelas três peneiras, conte!
Tanto eu, como você e seu irmão iremos nos beneficiar disso que tem a falar. Mas, caso contrário, esqueça e enterre tudo. Será uma fofoca a menos para envenenar o ambiente e fomentar a discórdia.

Para finalizar essa instrução, cito a carta de Paulo aos Efésios, que diz: “Que nenhuma palavra torpe saia da sua boca, mas apenas aquela que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que ela conceda graça a todos que a ouvem.” (Efésios 4:29)

Se você atentar para isto, você terá uma vida saudável, com leveza e inevitavelmente, sem perceber, vai estar ajudando direta-ou-indiretamente pessoas do seu convívio, ao evitar pelo muito falar, de prejudicar alguém, e, da mesma sorte, vai ajudar positivamente pelo poder de influência que teu silêncio produz no outro o espírito de admiração. O sábio cora suas palavras e se tornar imune aos infortúnios do mundo agressor.

Nilo Deyson Monteiro Pessanha



FILÓSOFO, ESCRITOR, POETA, COLUNISTA & PALESTRANTE. Fundador da Filosofia da imparcialidade participativa. Autor do livro de Filosofia Todos os Corações do mundo, e do Livro O Teatro da vida e a interpretação das coisas, quem nos garante ser verdade das coisas. Membro de diversas instituições culturais como por exemplo, é imortal acadêmico da Academia de Letras do Brasil seccional Campos dos Goytacazes, é imortal Acadêmico da Academia Pedralva Letras e Artes, ocupante da cadeira n°17 , Fundador do NAISLA, Núcleo Acadêmico Italiano di Scienze, Littere e Arti. Membro de diversas instituições. Nilo Deyson Monteiro participou de diversas antologias, periódicos e muitos de seus trabalhos acadêmicos estão no Google ao pesquisar Filósofo Nilo Deyson.

Diga-nos o que achou do post: