o poder ainda emana do povo

O poder ainda emana do povo

O poder ainda emana do povo

O poder que destrói toda uma cultura, é um poder opressor. Com essa afirmativa todos nós concordamos. Uma sociedade em que os seus dirigentes e sua população, simplesmente ignoram a cultura, se torna, rapidamente, uma sociedade de alienados, violentos, com pessoas dispostas a seguir qualquer ideologia.


Uma sociedade que se nega a promover a cultura local e a do próprio país, torna-se uma sociedade que se apega a uma vida supérflua, uma vida em que a banalidade dos fatos, são seus maiores formadores de opinião, se torna uma sociedade produtora de mentiras. Chegando ao ponto de acreditarem nas próprias mentiras, como sendo dados cientificamente comprovados e verdadeiros. Estamos em um momento histórico em que, sem uma base sólida de cultura, a sociedade simplesmente está implodindo.


O poder que um cidadão comum exerce sobre o outro, seja qual for a natureza desse poder, é um poder capaz de transformar ou de destruir. Todos nós temos esse poder em nossas mãos. Uns o usam para promover o bem, outros, se negam a usá-lo e, existem ainda outros que o usam para promover o mal a todo custo.
O que você está fazendo com o poder que está em suas mãos ?


Querendo ou não, o poder está continuamente sendo emanado de nossas mãos, do nosso povo, de nossa sociedade e de nosso país. O poder está sendo exercido pelos fracos e fortes, ricos e pobres, bons e maus. É preciso ter a consciência arejada e, com sabedoria, fazer a sua escolha. Usar o poder que lhe é oferecido para sua existência, ou não ?

Transformar positivamente a realidade a sua volta é possível, se você assim o quiser. Está em nossas mãos o poder de transformar ou destruir, amar ou odiar, evoluir ou regredir, promover a justiça ou a injustiça, promover a paz, fraternidade ou promover a guerra, violência, mentira, fome, sofrimento. Qual é a sua escolha ?

Carlos de Campos



Carlos de Campos nasceu em 1980 em Biritiba Mirim, São Paulo. Apaixonado por Poetrix. Em 2017, começou a escrever seus versos nas redes sociais, expressando-se de maneira profunda, em reflexões e observações sobre a condição humana, entre outras; analisando sua organização, atuação e intempéries emocionais, de forma leve, porém, concisa e incisiva. Não se deixando condicionar por padrões, investigando, atentamente, os recônditos mais conflitantes da existência e expressando-o, poeticamente, através do seu minucioso olhar. Autor do Livro Enquanto a solidão me abraça https://caravanagrupoeditorial.com.br/

Diga-nos o que achou do post: