O Desastre que sonda as famílias

A família como base da sociedade

Viver em um mundo globalizado, em que as informações vêm e vão com uma rapidez exorbitante, é algo que no passado era inimaginável pela maioria das pessoas. 

Mas agora, vivemos essa realidade, em que as pessoas mal têm tempo para si próprias e muito menos para sua família.

Devido a essa velocidade com que as coisas acontecem, nosso tempo se torna cada vez mais escasso, mas infelizmente não podemos fugir disso, mas sim, nos tornar adaptáveis.

No entanto, isso tudo acaba se tornando prejudicial à saúde familiar, onde cada membro não encontra tempo um para o outro, causando o distanciamento entre eles.

Diante disso pergunto: qual será o valor da família na atualidade, e quais os problemas ela enfrenta nos dias atuais? 

Analisar e entender isso, pode significar a salvação de uma nação.

O que acontece

Na maioria das vezes pessoas como eu e você quando chegamos do nosso trabalho, exaustos, sentamos no sofá e ligamos a tv.

Nossos filhos querem atenção, nosso cônjuge também, mas nós, no auge do esgotamento físico e mental, só temos olhos e ouvidos para a “telinha”.

Pois, diga-se de passagem, isso é algo relaxante.

E como se não bastasse, agora, temos em mãos algo ainda mais nocivo do que a velha e boa televisão, o smartphone.

Portanto, são os nossos meios de informação, e nossas ferramentas essenciais de trabalho, que se tornam os vilões. São eles que roubam o nosso tempo quando nós os deixamos dominar. 

Diante disso, temos um diagnóstico simples e claro de como estamos alheios a nossa família. Sendo assim, entendemos  como nossa mente está aquém da saúde que deveria ter.

O conflito

A família tradicional ( aqui inicialmente não falo de gênero) era aquela que todos os dias se reunia ao redor da mesa. Ali, colocavam todos os assuntos em dia, enfim, o diálogo era a base da família.

Mas hoje em dia, segundo o site a12:

 A falta de diálogo é um problema comum nas famílias pós-modernas e tem provocado muitos desentendimentos entre pais, filhos e cônjuges.

E ainda, a psicóloga, Heloisa Fleury, afirma, no mesmo site que:

uma comunicação saudável acontece quando os pais valorizam estar com os filhos, conversam sobre tudo e criam oportunidades para isso, sempre que possível.

No entanto, um clima hostil está instaurado em grande parte das famílias brasileiras, gerando conflitos difíceis de se resolver, em que alguns casos só cessam com a dissolução da família.

A história não mente

Segundo o site Mundo Educação, a família é:

uma instituição social tão antiga quanto os primeiros registros pré-históricos da humanidade, que datam de antes de 10.000 anos a.C. A família, além de uma antiga instituição social, é um agrupamento de seres humanos, que se unem pelo laço consanguíneo e pela afinidade, ou seja, a família é composta por pessoas que têm o sangue em comum ou que se unem porque gostam umas das outras.

Com isso, entendemos que a família, historicamente, tem um papel fundamental na sociedade. É ela que alicerça a razão da existência do homem em uma sociedade plural e habitável, de forma pacífica e harmônica.

Portanto, uma sociedade que preza pela paz e harmonia em todas as suas esferas, de maneira alguma busca a desconstrução do conceito familiar.

A família em uma visão científica

A família tem sido alvo de muitos ataques nos últimos tempos, principalmente por grupos que se denominam como minorias. Estes encontraram repouso em outros tipo de constituição familiar, diferente da que estamos acostumados para poderem basear suas críticas.

Assim como, as discussões sobre gênero também tem causado inúmeros conflitos entre defensores de uma causa e outra no que diz respeito à família.

A revista Veja, em seu site, publicou um estudo negativo feito por americanos a respeito da família, veja um trecho:

 

“De acordo com um estudo feito por pesquisadores da Universidade do Estado do Michigan, nos Estados Unidos, quando se trata de felicidade e saúde, os amigos são mais importantes do que a família. Segundo os cientistas, amizades são menos críticas e tendem a ser mais positivas do que as relações familiares. “Amigos são uma escolha consciente.  Relacionamentos familiares podem ser sérios, negativos e monótonos”, disse William Chopik, professor de psicologia e autor do estudo, ao jornal on-line britânico The Guardian.”

Vemos nesse trecho da pesquisa, um exemplo de desconstrução do valor da família na vida da sociedade. A família é o seio da humanidade, é onde nascemos, nos formamos, é o lugar onde aprendemos a dar nossos primeiros passos, e a falar as primeiras palavras. 

Por isso, de forma alguma pode ser substituída  levianamente, imputando descrédito a instituição pioneira do amor na sociedade.

Pois, no mínimo, esses amigos, se forem verdadeiros, e engajados no amor que procuram demonstrar, do produto desta amizade, formaram outra família, nunca dando descrédito da que saíram.

Salve a família

Não podemos negar que muitas famílias são conflituosas, e as estatísticas(encontradas no site do IBGE) mostram que a família conhecida como tradicional não mais se estabelece com maioria em nosso país.

A emancipação feminina foi o pontapé inicial para que novas estruturas familiares se formassem, onde mãe e filhos morando em uma casa se tornaram maioria.

Essas novas estruturas, baseadas nas tradicionais, ainda carregam o conceito familiar, isso quer dizer que, não importa a quantidade de membros que a constitui, mas sim, a maneira como ela é conduzida.

No entanto, o entendimento dessa pluralidade, que cresce a cada dia mais e mais, não pode proibir e nem também tirar o crédito da família tradicional, formada por pai , mãe e filhos.

Não é considerável imaginar que o ser humano viva sem o conceito de família, de um lar, pois é a família que baliza os limites da sociedade.

Portanto, desacreditar  da família é desacreditar da sociedade e toda a história que há milhares de anos tem sido fundamentada nela mesma.

O maior desastre que sonda as famílias é a banalização da sua constituição.

Sendo assim, é necessário salvar a família ,e os valores que ela compôs como uma música, orquestrada com precisão, na sua harmonia, melodia e ritmo, em que ainda que um dos músicos falhe, a orquestra não para, mas executa a sua peça até a última nota.

Referências bibliográficas

https://www.a12.com/redacaoa12/brasil/dialogo-e-respeito-sao-chaves-para-uma-boa-relacao-familiar

https://mundoeducacao.uol.com.br/psicologia/familia.htm#:~:text=Fam%C3%ADlia%20%C3%A9%2C%20para%20a%20Sociologia,afinidade%2C%20ou%20seja%2C%20a%20fam%C3%AD

https://veja.abril.com.br/saude/a-ciencia-responde-quem-te-faz-mais-feliz-familia-ou-amigos/lia



Carlos José, é Cristão, Graduando em Pedagogia pela Faculdade Dom Alberto, Bacharelando em Teologia pelo Instituto Educacional Videira , Articulista e amante da leitura e da escrita .

Diga-nos o que achou do post: