No-code

No-code: Conheça o universo da programação sem código

Com a chegada do avanço no mercado de tecnologia nos últimos tempos, muitas empresas e prestadores de serviço passaram a focar os seus esforços em aumentar a demanda sem comprometer a qualidade do serviço e, para isso, surgiu o No-code.

As áreas de desenvolvimento de sites, sistemas ou aplicativos necessitam de uma certa agilidade, e de ferramentas inovadoras que mantenham rápido o processo de produção dos projetos para, assim, colocar os planos para frente.

 

Percebendo essa necessidade, surgiu a plataforma no-code para maximizar os resultados e aumentar a produtividade das equipes de desenvolvimento, dispensando conhecimentos avançados de programação de sites, aplicativos e outros tipos de aplicações.

 

Assim, as áreas de desenvolvimento têm sua carga de trabalho reduzida, pois não precisam gastar tempo escrevendo muitos códigos. No fim, o que toma mais tempo dessas equipes é o fato de terem que escrevê-los nos programas de desenvolvimento de aplicações.

 

Com essa facilidade no operacional, os times de desenvolvimento dedicam-se a outros pontos mais estratégicos do projeto em produção, podendo finalizar em menor tempo e com menos volume de trabalho. 

 

Essa plataforma é como uma bateria estacionária 150a, pondo a máquina para funcionar com rapidez, sem permitir que se percam as funcionalidades essenciais do motor. 

 

Para que fique claro como funciona essa ferramenta de que tanto se fala, o artigo tratará do que é, como funciona e quais são seus benefícios. Será abordado de forma compreensível, como é que essa plataforma atua.

O que é o No-code?

O chamado movimento no-code possibilita que seja desenvolvido aplicativos e soluções de negócios sem precisar de conhecimentos técnicos e avançados de codificação, ou de como escrever códigos em uma certa linguagem de programação.

 

Não é como fazer a reforma de sofá de couro, que é feita parte por parte até chegar a alteração inteira do sofá. O no-code permite que se pule o processo mais complicado e cansativo, que é escrever o código.

 

Fica sem resposta como isso é possível. Essas ferramentas ganharam essa força, pois pertencem à interface visual ou GUI, que é a interface Gráfica do Usuário, como também são chamadas. É como uma cortina persiana preta, bonita e fácil de usar.

 

Assim, ao contrário de ter que escrever o código para uma solução, consegue-se construir e automatizar um fluxo de trabalho com um simples arrastar e soltar. Deste modo, não é necessário ser desenvolvedor para construir ou criar um produto com agilidade.

 

Em uma situação em que uma pessoa do RH sempre tem muitos e-mails com solicitações de reembolso, o seu sonho deverá ser o de automatizar esse processo, onde terá apenas que aceitar solicitação, uma a uma. Desde solicitação do cliente até o setor financeiro.

 

A ala de TI, que significa tecnologia da informação, não consegue dar atenção a essa pessoa no RH, pois tem muitos outros problemas sérios a serem concluídos por eles. Assim, uma plataforma no-code será útil, pois ela mesmo irá automatizar as solicitações.

 

A ferramenta simplesmente conecta elementos gráficos de forma didática, prática, intuitiva e acessível. O RH cumpre o que queria, sem precisar contatar ou esperar o setor de TI liberar espaço na agenda para atender a necessidade dele.

 

Percebe-se que, em resumo, a ferramenta permite que uma pessoa que não entende nada de programação consiga desenvolver aplicações sem fazer uso de nenhuma linha de código sequer. Vantagem importantíssima para agilizar todos os processo da empresa.

 

O No-code não é um movimento recente, e vender a ideia de que ele seja novo no mercado é algo dificultoso. Os primeiros rastros desse movimento de ferramentas com níveis de codificação baixíssimos foi na década de 90. Quase no início dos anos 2000.

 

Apesar de já existirem, essas ferramentas não eram ainda tão simples ou intuitivas de serem usadas. Elas apresentavam algumas limitações. Todavia, em 2018 aconteceu um grande surgimento do uso dessas técnicas de no-code.

 

Isso começou a mudar o cenário da tecnologia mundial, visto que foi neste ano que uma publicação muito importante no meio trouxe à vista que uma série de startups começaram a investir nesse tipo de modernidade, o que aceleraria o desenvolvimento das soluções.

 

Essas ferramentas novas que surgiram estão cada vez mais amigáveis, práticas, intuitivas e, como resultado, muito mais poderosas.

Diferença entre Low-code e No-code

Muitos perguntam a diferença entre essas duas ferramentas. É algo simples, haja visto que os próprios termos dão de forma clara e sem esforço essa distinção. Low-code faz referência a pouco código e No-code refere-se a sem código.

 

A primeira ferramenta pode ser caracterizada como uma tática que permite o desenvolvimento de aplicações com a utilização de poucos códigos. Já a segunda ferramenta é como se fosse a atualização, permitindo o desenvolvimento sem usar códigos.

 

Assim, pode-se afirmar que uma plataforma no-code é uma low-code com maior capacidade de atuar em diferentes situações e cenários.

 

É como, por exemplo, em uma impermeabilização de sofá profissional, onde o móvel se adapta a situação de derramamento de água. É assim que o no-code se adapta aos cenários.

O que faz o No-code?

Entre as coisas que a ferramenta pode desenvolver para responder certos problemas de negócios, estão realizar integrações com aplicativos de trabalho, automatizar tarefas repetitivas, desenvolver backends para seus sistemas e aplicativos, etc.

 

O Backend é o que está por trás das aplicações. Criar e gerir fluxos de trabalhos e operações de negócios como, por exemplo, contabilidade, gestão e marketing em apenas um lugar, entre outros casos.

 

Haja vista que existe a possibilidade de desenvolver aplicações e sistemas do zero em cerca de alguns poucos dias.

 

Não se trata mais de frequências de meses, chegando até a demorar anos. Isso é muito comum durante o desenvolvimento de aplicativos, sites e sistemas.  A plataforma no-code permite que todas as equipes aumentem sua produtividade de maneira muito rápida.

 

A critério de exemplo, uma empresa de itens femininos que tem como atividade ser fornecedor produtos de cosméticos para várias regiões do país, precisando automatizar o sistema de entrega, pode usar algum tipo de sistema baseado em no-code.

 

Também na prática, uma equipe de marketing e vendas pode utilizar uma ferramenta no-code para criar algum tipo de sistema de visitas, agendamento de conteúdos e até um sistema para organizar o relacionamento com o cliente, o CRM.

 

Tudo isso totalmente integrado e automatizado em uma única plataforma. E sem usar nenhuma linha de código de programação. 

 

Uma empresa que faz gradil fachada também pode trabalhar com no-code, usando uma ferramenta para organizar o número de clientes, casas, endereços e orçamento, tudo organizado de forma que possam fazer todas as coisas com mais facilidade e rapidez.

 

Essa tática também pode ser usada para qualquer solução de negócios, não importa o ramo. Pode servir como plataforma automatizada de tarefas repetitivas e que demandam muito tempo dos times.

Benefícios do No-code

Além da praticidade, simplicidade e rapidez que essas ferramentas oferecem para as empresas como soluções de negócios, existem outros benefícios que precisam ser vistos com clareza, como uma janela pivotante de alumínio. São eles:

 

  • Produtividade das equipes;
  • Flexibilidade na criação de aplicativos customizados;
  • Redução de custos e democratização de tarefas;
  • Autonomia das empresas e profissionais.

 

Quanto à produtividade das equipes, justamente por causa dessas plataformas e ferramentas no-code não precisarem de linguagem de programação, qualquer profissional pode ser capacitado a usar elas. Os desenvolvedores ficam mais livres de coisas simples.

 

Isso torna o trabalho deles mais fácil e produtivo. Assim, os desenvolvedores disporão de muito mais tempo para se dedicarem a resolver tarefas e crises mais complexas. Eles podem, dessa forma, dedicar mais tempo a demandas mais críticas na empresa.

 

O que também agregará um valor maior a seus conhecimentos técnicos, que foram adquiridos com anos de estudo e dedicação.

 

Com a utilização de plataformas e ferramentas no-code, os desenvolvedores ficarão livres para aprimorar suas novas ideias e enfrentar desafios mais complexos. Assim, a mão-de-obra se torna de grande valia para a empresa. 

 

No caso da flexibilização da criação de aplicativos, diferentemente das plataformas tradicionais, as no-code dão soluções para total customização. Na prática, é possível escolher templates prontos ou até criar algo do zero com ferramentas simples.

 

Quanto à democratização de tarefas, ter que contratar desenvolvedores, programadores e outros profissionais da área de TI para criar algo é, com certeza, mais caro do que investir em uma plataforma no-code e na capacitação de alguém para usar ela.

 

Isso faz com que a tarefa se torne mais benéfica, pois muitos profissionais podem ser instruídos de como trabalhar com ela e fazer isso de forma bastante simples e rápida.

 

A autonomia das empresas e profissionais também é um benefício a ser destacado. Em vista da facilidade que as plataformas no-code oferecem, elas podem ser usadas por quaisquer profissionais dentro das empresas.

 

Isto oferece a elas uma certa liberdade para construir, testar e adaptar de acordo com a necessidade do negócio.

Considerações finais

O artigo mostra que as plataformas no-code são como limpeza telhado de vidro. É preciso tirar todo tipo de empecilho que atrapalha a beleza do negócio, agilizar a construção de   aplicações e fazer com que a equipe de desenvolvimento foque em limpar outras coisas.

 

A no-code tem se tornado bem presente no mercado de tecnologia, nas empresas como gerenciamento operacional e na organização de projetos. Por isso, investir nessa tecnologia tem sido promissor. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.



Diga-nos o que achou do post: