Mulheres na direção

Pioneiras
Mulheres que dirigem filmes não é nenhuma novidade. Por quê eu digo isso?
Pelo simples fator de que o cinema praticamente já nasceu com a mulher dirigindo. Sabemos que foram os irmãos Lumiére que criaram o cinema.
Mas quando se trata de ficção ou seja o cinema contado através de obras de estória começou com Alice Guy Blaché. Inclusive tem muitos curtas dela disponíveis no Youtube. A Fada do repolho é de 1896 no qual é baseado num folclore e o curioso é que Alice fez a personagem do filme.
Aliás ela atuou em vários filmes seus e foi uma mulher bem a frente do seu tempo escrevendo e filmando temas que não eram comuns de serem abordados como emancipação feminina, inclusão racial e outros temas.
Influência

Muitas pessoas nem desconfiam mas Lois Weber chegou a influenciar cineastas famosos um deles era o cineasta Alfred Hitchcock.
Lois Weber protagonizou e também escreveu e dirigiu Suspense curta de 1913 no qual mostra uma dona de casa sendo ameaçada por um bandido querendo invadir sua casa e em desespero ela liga para o marido.

Premiadas com o Oscar

Marleen Gorris foi a primeira mulher diretora a ganhar um Oscar de filme estrangeiro pelo filme A Excêntrica família de Antônia no qual aborda um tema bem feminista através de gerações e ainda por cima matriarcal começando pela Antônia.Muitas outras diretoras foram indicadas antes dela. Marleen foi a primeira em 1996.
Nesse intervalo apenas mais duas cineastas seriam premiadas com o Oscar de filme estrangeiro.
Caroline Link por Lugar nenhum na África em 2003 e Susane Bier por Um Mundo melhor em 2011.

Todavia esse tabu só seria quebrado em mais de 80 anos quando Kathryn Bigelow levou os prêmios de melhor direção e filme por Guerra ao terror em 2010 e recentemente foi a vez de Chloé Zhao por Nomadland que também foi de direção e filme.
Fora as duas vencedoras as outras indicadas ao Oscar de direção foram: Lina Wertmueller por Pasqualino sete belezas, Jane Campion por O Piano, Sofia Coppola por Encontros e desencontros (Ganhou por roteiro original),Greta Gerwig por Lady Bird: A hora de voar e Emmeral Fennell por Bela vingança que perdeu para Chloé Zhao e a primeira vez que duas diretoras concorreram juntas.

Outras curiosidades:
Carlota Joaquina – Princesa do Brazil marcou a Retomada do cinema brasileiro e a responsável por isso foi a diretora Carla Camuratti.

Agnés Varda não é creditada por isso mas foi ela quem deu o empurrão para a Nouvelle Vague sendo seu filme de estreia Le Pointe Courte.
Mary Ellen Bute foi uma das pioneiras do cinema experimental.
Lotte Reiniger foi a pioneira da animação.
Barbra Streissand não apenas é cantora como também atua e ás vezes dirige filmes inclusive já foi indicado ao Gremmy de direção por Yentl.
Adélia Sampaio foi a primeira diretora negra no Brasil. Ante disso exerceu vários funções. Sua estreia se deu com Amor maldito.
Camila de Moraes dirigiu um documentário chamado O Caso do homem errado, no qual aborda o racismo.
Ida Lupino era atriz mas teve um grande destaque como diretora sabendo ser versátil em vários temas e gêneros.
Dee Rees foi a primeira diretora negra a contar apenas com mulheres para trabalhar na equipe com o filme Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi, no qual resultou uma indicação ao Oscar de fotografia para Rachel Morrison a primeira negra indicada ao Oscar nessa categoria.
Ava Duvernay fez parte do júri do Festival de Cannes em 2018.
em 2018.
Anna Muylaert se tornou uma das cineastas mais reconhecidas do Brasil graças ao filme Que horas ela volta ?,no qual ainda ganhou o prêmio no Festival de Berlim.
Patty Jenkins é a responsável por trazer os dois filmes da Mulher Maravilha aos cinemas.
O que torna interessante ver uma mulher dirigindo um filme de heroína.


Enfim são muitos exemplos a serem pesquisados.
Em relação a Alice Guy Blaché é algo muito recente e ainda assim vivemos numa sociedade machista que despreza não só a mulher poder dirigir filmes como em outras áreas e claro que tem o contrário.

O fato é que temos muitas cineastas talentosas e seus trabalhos merecem serem reconhecidos.



Diga-nos o que achou do post: