Moradores de município de São Roque pedem socorro

Crianças observam as correntezas do rio Pirajibú Mirim - São Roque

Crianças observam as correntezas do rio Pirajibú Mirim – São Roque

Conhecida como a terra do vinho, a pacata cidade de São Roque – SP é conhecida por suas famosas vinícolas e suas variadas opções de lazer e entretenimento, porém, moradores de bairros mais distantes do centro, pedem socorro, porque vivem com a falta de saneamento  básico, sem água potável e ruas sem asfalto e esburacadas.

Os bairros Jardim Camargo, Bairro do Carmo e adjacências sofrem ainda com inundações frequentes que impossibilitam o acesso aos bairros. A região possui duas estradas de acesso, uma no KM 48 da Rodovia Bunjiro Nakao e outra no KM 53,5 , da mesma Rodovia, pela estrada Vila Carmo.

Os bairros dão acesso a alguns locais turísticos como: Estrada do Vinho, Pesqueiros, Ranchos, Fazendas, criadouros e empresas produtoras e de distribuição de verduras e legumes.

Na segunda entrada possui uma pequena ponte ‘Osmar Braz da Costa’ , que fica sobre o rio Pirajibú Mirim, que na última chuva ocorrida no dia 27/01, transbordou e impossibilitou o acesso de pedestres a região.

Veja o Vídeo:

A moradora Telma Celestino dos Santos, 47 anos , há 30 anos no local, diz -” Hoje a situação ainda está suportável, sofremos muito há anos… Tivemos época em que nem transporte público  havia, nos forçando a andar mais de 3 Km até a rodovia principal”.

Os bairros ficam entre os municípios de São Roque e Cotia, divididas pela Rodovia Bunjiro Nakao, porém, a região pertence ao município de São Roque.

Em meio a sujeiras e lamas trazidas pela correnteza, adultos e crianças se arriscam a atravessar correndo o risco eminente de contrair doenças como leptospirose dentre outras.

Após o período de chuvas ainda restam para os moradores enfrentar diariamente os buracos, que são verdadeiras crateras, e que danificam os veículos dos moradores, em alguns trechos impossibilitando o acesso as suas residências.

Pela falta de fornecimento de água potável, os moradores consomem águas de poços, sem tratamento, e sem orientação ou suporte por parte da administração pública, sendo comum os quadros de diarreia e vômito.

Os moradores do bairro se organizam para em breve apresentar formalmente sua reivindicações a prefeitura de São Roque. – “Mais uma vez” – reforça Telma Celestino.

[wds id=”4″]

 



Brasileiro, natural de São Paulo - SP, Jornalista, Empreendedor, Administrador de Empresas, Técnico em Informática, WebDesigner, Designer Gráfico e Fotógrafo. Amante da natureza, boa literatura, boa música e conservador nos costumes.

Diga-nos o que achou do post: