mídia programática

Mídia programática: o que é e quando devo usar?

A mídia programática é um recurso que vem sendo usado por empresas dos mais variados setores, uma vez que a automação de marketing já não é mais uma novidade.

Na verdade, ela faz parte da transformação digital e traz impactos em diversas atividades da sociedade, e a mídia programática deve ser inserida nesse contexto.

Em resumo, a mídia programática refere-se à compra automática de mídia, de modo que a marca consiga sempre divulgar seus produtos e serviços com as estratégias que funcionam e que trazem bons resultados.

Investir em marketing é uma necessidade para qualquer negócio que queira crescer, afinal, é por meio dessas estratégias que os produtos de serviços chegam ao conhecimento do público certo e são comprados pelas pessoas certas.

Sem marketing, o negócio não vende, e sem vender, ele não consegue se manter competitivo e pode simplesmente deixar de existir.

Para melhorar os investimentos em estratégias de marketing, uma série de soluções que facilitam o trabalho das empresas surgiram, e uma delas é a mídia programática.

Se você não entende nada sobre o assunto ou tem alguma dúvida, leia este artigo, pois aqui vamos explicar o conceito de mídia programática e mostrar quando esse recurso deve ser usado. Acompanhe!

Entenda o conceito de mídia programática

A diferença entre mídia programática e os modelos tradicionais está no fato de que a compra de espaços publicitários pelo primeiro modelo acontece totalmente por meio de plataformas tecnológicas.

Em outras palavras, trata-se da automação de processo de compra de mídia, o que resulta no uso de soluções digitais para alcançar os resultados almejados, no que diz respeito à otimização.

A mídia programática surgiu para atender as necessidades das plataformas digitais, mas, atualmente, pode ser usada por um fabricante de manta vinilica hospitalar para os meios tradicionais de divulgação.

Em alguns países, como nos Estados Unidos, esse tipo de mídia avançou muito nos últimos anos, tanto é que de acordo com uma pesquisa da E-marketer em 2018, cerca de 80% das vendas de anúncios digitais foram feitas pelas mídias programáticas.

Quando tudo começou, o principal atrativo era o custo, mas nos dias de hoje, mostra-se interessante por conta do emprego de recursos digitais, que refinam a segmentação das campanhas.

Isso significa que o responsável pelo crescimento da mídia programática no mundo todo é a eficiência, ou existe uma programação precisa e alta qualidade de entrega.

Para entender como funciona, primeiro é necessário compreender que ela exige o envolvimento de empresas de vários tipos.

Mesmo tendo uma mecânica simples, a mídia programática é mais complexa do que as opções tradicionais porque envolve novos players do mercado.

Outro ponto que se diferencia é o modo como a mídia é paga, visto que não acontece por meio de preços fechados em determinados horários ou faixas de programação, mas sim, por meio de leilões.

Assim, se um pet shop especializado em acessórios para cachorro filhote quiser comprar mídia programada, deve procurar plataformas específicas onde os publishers inserem seu inventário.

É um processo automático onde as empresas interessadas em anunciar nesses canais de comunicação fazem algumas consultas e fecham a compra por meio de sistemas, sem nenhum tipo de interferência humana.

Lembrando que, assim como em qualquer outro processo de automação de marketing, a inteligência humana continua sendo necessária, principalmente para direcionar a campanha estrategicamente.

O processo de execução é automático e utiliza softwares eficientes para selecionar o público e entregar os anúncios para as pessoas certas.

Para entender um pouco mais o funcionamento da mídia programática, é crucial conhecer alguns de seus termos mais comuns. São eles:

  • DSP (Demand Side Platform);
  • SSP (Supply Side Platform/Sell Side Platform);
  • DMP (Data Management Platform);
  • Ad Exchange;
  • Trading Desk.

Os DSPs são plataformas usadas para a compra de mídia em tempo real, e é por meio delas que o anunciante pesquisa as Ads Exchanges.

Estas, por sua vez, são um tipo de marketplace de publishers, portanto, são plataformas que reúnem os inventários de diferentes sites que queiram comercializar espaços publicitários em suas páginas.

Um fabricante de persiana painel para quarto negocia esses espaços em tempo real, daí o uso do termo “bolsa de anúncios”.

SSP é o local onde a venda de inventário é realizada, além de ser uma plataforma das quais os publishers oferecem seus inventários.

DMP são as plataformas que cuidam do monitoramento dos usuários, fazendo isso por meio de cookies que garantem entregas segmentadas, considerando os interesses da marca.

Por fim, Trading Desks são operações especializadas na compra por meio de DSP. Essas agências atuam como uma mesa de operações, e procuram otimizar os investimentos e possibilitar a entrega de outros tipos de serviços.

Quando adotar a mídia programática?

A compra de mídia programática cresceu muito nos últimos anos, mas se você analisar como isso acontecia antes dela existir, fica fácil entender por que tantas empresas preferem essa modalidade atualmente.

Em primeiro lugar, um fabricante de travesseiro de pena de galinha negocia de maneira direta, por meio de um RTB (real-time bidding, ou lance em tempo real) ou leilões ao vivo.

Todas as transações ocorrem por meio de uma DSP, além de que a companhia escolhe o perfil de audiência que quer impactar, oferecendo, além dos dados demográficos, outras informações.

É necessário falar sobre a intenção de compra, preferências e motivação do internauta, pois é uma forma de fazer com que a empresa anuncie para quem realmente tem intenção de comprar seu produto ou serviço.

Depois de segmentar o público-alvo, é impossível que os anúncios se dispersem em sites aleatórios, além de que o investimento é otimizado porque atinge somente pessoas que realmente são relevantes para a marca.

Para saber quais são as características da audiência de uma fábrica de amortecedores, as DSPs usam dados disponibilizados pelos data providers.

Se você quer descobrir qual é o seu perfil de público, saiba que agências e anunciantes utilizam informações provenientes de ferramentas como o Google Analytics.

Contudo, para saber se este é o momento de começar a investir em mídia programática, primeiro pense no investimento.

Existem diferentes plataformas necessárias para entrar nesse universo, e são aquelas que mostramos anteriormente, como DSP, DMP, Data Provider, Trading Desk, entre outras, principalmente para operar a DSP, caso prefira.

Essas plataformas geram custos, mas, além disso, é necessário considerar o valor envolvido para concretizar as campanhas. Para se ter uma ideia, algumas DSPs e Trading Desks cobrem valores mínimos para fazer o investimento.

Outro aspecto que deve ser analisado é a equipe, visto que é aconselhável ter uma equipe de TI (tecnologia da informação) que seja capaz de oferecer suporte técnico para a instalação de tags e integração com API.

Logo, um fabricante de estojo escolar personalizado também deve contar com profissionais de marketing preparados para lidar com questões de BI, uso de dados, mídia programática e campanhas.

Por fim, é fundamental considerar alguns passos prévios, tendo em vista que antes de começar a investir em mídia programática, é necessário preencher outros requisitos.

Por exemplo, a companhia precisa de uma ferramenta CRM, fazer campanhas de retargeting, investir em links patrocinados, conhecer bem o perfil da audiência e trabalhar com anúncios pagos nas redes sociais.

Vantagens da mídia programática

Se você fizer qualquer tipo de pesquisa no Google, como um serviço de alinhamento e balanceamento próximo a mim, vai encontrar várias empresas que investem em mídia programática.

Elas fazem isso por várias razões, já que esse tipo de estratégia traz muitos benefícios para a corporação. Dentre eles está o aumento da eficiência, visto que o anunciante pode chegar ao público de interesse de maneira mais certeira.

Isso acontece por conta da tecnologia, que ajuda a selecionar o público e faz o monitoramento dos resultados. Como consequência, a corporação trabalha com mídia técnica, baseada em dados e que ajuda a refinar as estratégias.

Fazer uma boa segmentação não é importante apenas para as estratégias de mídia paga, mas para qualquer estratégia de marketing digital.

Além de selecionar cuidadosamente quem verá o anúncio, uma empresa de assistência técnica de notebook deve tomar cuidado com a qualidade da sua mensagem.

Assim como acontece no modelo tradicional, a mídia programática também quer proporcionar o contato entre a empresa e seu público, bem como facilitar a conversão por meio de vários fatores, como a criatividade do anúncio.

Para que ele funcione corretamente, a dica é estudar o tipo de chamada que vai fazer parte do banner, e além de atrair o anunciante, é necessário fazer a mensuração dos resultados para identificar o que funciona ou não.

Considerações finais

A mídia programática é uma opção inteligente e prática, onde anunciantes e publishers se conectam através de plataformas, que viabilizam a compra e venda de mídia, por meio de um ambiente seguro.

Essa prática que já se tornou uma realidade em mercados mais sólidos, como nos Estados Unidos, é atualmente uma grande tendência no Brasil.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.



Diga-nos o que achou do post: