Impetuosa mente

Não há briga que se compare com a que travo nesse momento, e já explico a razão de a colocar no topo dos conflitos que já tive e que posso dizer, não são poucos. É que neste, em especial, o inimigo está ‘pegado’ em mim e de tal modo preponderante que domina todo o resto do mim que eu julgo ter.

O fato é que esse traiçoeiro inimigo está no comando, por cima, e se julga até no direito de brincar de dentro, sabotando tudo que mais quero fazer. Se já alguma vez se familiarizaram com algo do tipo talvez já tenham percebido que ele é simplesmente ela, a mente.

Esse jocoso inimigo, que não por acaso deu até nome ao verbo de um sujeito que longe de fazer o que deve, foge da coisa, e mente, é ela, sim, a mente.

Trocando em miúdos, para não complicar, estou sem fazer o que me dá mais prazer nesta vida há alguns meses porque não encontro a minha companheira constante, aquela que me fazia rir de mim mesma, a minha amada inspiração. A mente tomou seu espaço e a escondeu, não sei onde.

Há bem pouco tempo atrás eu diria que a ausência da minha companheira seria impossível acontecer, pois até uma mosca tresloucada entrando na sala de estar procurando uma janela para fugir fazia com que ela se pronunciasse, quase sempre irônica, e cheia de parágrafos para me oferecer.

O que dizer então quando ela tinha um encontro inesperado? uma emoção fora de lugar e hora? Qualquer acontecimento, ou a ausência dele, lá ia ela abrir o laptop ou o caderninho azul que ela um dia deu lugar de destaque e o fez personagem de um post (vejam caderninho azul,) sempre pronta e com as palavras na ponta da língua.

Mas não há nada que o tempo não corrija. Decidi usar as próprias armas da mente contra ela mesmo, aqui e agora, pegando-a de surpresa, impulsivamente, para que ela não perceba que ainda tenho lembranças da inspiração guardadas no meu banco de dados da memória, onde sua guarda é fraca.

Só não tenho muito como prosseguir mais além, pois a intenção por agora era só quebrar o bloqueio, das sanções que a mente me impôs, ainda tenho muito para recuperar.

Invadi-a.

por enquanto é só.

agora vou à procura da inspiração,

Kawer

 



Diga-nos o que achou do post: