Formas de amar

Formas de amar

São duas as formas de amar.
A primeira é amor que nasce de dentro,
que brota como sentimento
e se expande para fora.
Já a segunda, é o amor que veio de fora
e ficou estampado do lado de dentro,
é o que reprime os sentimentos, mas que
apesar da diferença,
ainda continua sendo o amor.
O primeiro, é considerado o amor verdadeiro,
o amor correspondido, duplicado,
já o segundo, é o amor do sofrimento,
ficou reprimido, o amor solitário, mas que apesar do contratempo,
ainda continua sendo o amor.
Se não quiser sofrer,
que seja o amor compartilhado,
o amor interagido,
que é compreendido e que a morte não tocou.
Agora, se não der tempo,
que seja o amor estampado, padecido,
considerado o mais sofrido, cheio de lágrimas e dor,
mas que apesar do toque da morte,
ainda continua sendo o amor

Lembranças, críticas e reflexões por Flávio L. Barbosa

 



Nascido em São Paulo – Capital, atualmente com 56 anos de idade, o autor é psicólogo clínico, tem especialização em tradução e interpretação da língua inglesa e também é formado em letras. Trabalhou durante anos como professor universitário e no momento atua como escritor. Começou sua carreira escrevendo livros técnicos científicos, mas atualmente se dedica a escrever contos voltados ao terror psicológico. Através de uma escrita irreverente e crítica, gosta de escrever a respeito de temas como; alienação, pensamento crítico e sociedade.

Diga-nos o que achou do post: