FILOSOFIA – UMA ESCOLHA PARA SOLIDÃO

A Filosofia afasta o homem da mediocridade, da vida comum, do óbvio e do vazio existencial. Existe porém, um risco que pode ocorrer, onde você poderá se sentir solitário, sozinho, onde quer que estiver, ainda que rodeado de pessoas, terá a sensação de solidão. Isso é muito comum em estudantes de faculdade de filosofia, pois é natural o afastamento, quase que inevitável. Entretanto, tenho uma proposta aqui comigo que talvez lhe sirva.

Como Filósofo e pesquisador, eu senti na pele todos os efeitos de uma pessoa que escolheu viver uma vida voltada aos estudos filosóficos. Contudo, aprendi à filtrar os efeitos através do silêncio e da ação. No caso do silêncio, não debati com quem é contra o que eu defendo, como por exemplo, uns me chamarem e considerarem que sou um Filósofo. Não quis debater, apenas deixei em silêncio, pois os grandes filósofos do passado não se preocuparam com coisas fúteis como essas. Já no caso da ação, é no sentido de fazer com que através das obras criadas, das escritas, artigos e outros, eu possa provar com o tempo que o meu trabalho filosófico e literário é valioso pars sociedade, no sentido de organizar o pensamento das pessoas durante seu turno enquanto vida.

A Filosofia em primeira instância nos afasta de quase tudo, até mesmo de deus, contudo, à medida em que avançamos no oceano do conhecimento, nos aproximamos do verdadeiro DEUS. Claro, grande parte dos estudantes de filosofia são, ou se tornaram ateus, salvo os que já possuem uma certa envergadura de espiritualidade e conhecimento, pois estes são os raros homens livres e de bons costumes!!!

A Filosofia é o método principal de investigação, onde se problematiza todas as estruturas da sociedade até que se chegue à uma possível verdade última. Contudo, particularmente, eu não gosto muito da teoria das verdades absolutas. Tenho uma filosofia onde penso que a felicidade e plena realização só é possível, talvez, obviamente sem ser uma verdade última, porém, pode ser que apenas por meio da imparcialidade participativa é que se poderá alcançar uma vida com leveza.

Essa imparcialidade seria o fim da busca, pois se o indivíduo consegue participar sem apontar, sem se inflamar em nenhum tipo de paixão, se ele conseguir eliminar os vícios da mente viciosa e tagarela, condicionada à um dado universo, então ele será feliz.

Ser livre é não se prender à nada, apenas se manter à disposição sem a nada se apegar. Neste sentido, ele mata o que é abstrato, isto é, ele mata a coisa de fora e prova que ele é maior que a coisa.  O ser é mais valioso que as coisas, a vida é maior por ser única, por ser temporal e ter fim. Portanto, o ser pode através dos conhecimentos adquiridos, crescer, desenvolver e auxiliar as coisas externas à serem maiores que são, isto é, a coisa externa dependerá sempre do sujeito do conhecimento. A imparcialidade entra para colocar ordem nas coisas, quebrando a ponte que forma a coisa como maior que o sujeito, então, uma vez quebrada essa ponte, uma vez desfeita o vínculo com o sistema, o sujeito se torna independente, interessante e livre de sorte que é solicitado para organizar a sociedade, onde através do método da imparcialidade participativa, ele pode fazer com que a sociedade abandone os costumes de escravidão e assumam o protagonismo da própria existência.

A solução para a solidão de quem vive da filosofia, é aprender à estar sozinho consigo mesmo sem alardear, sem queixumes. E só se aprende a desenvolver a aceitação do estar à sós consigo mesmo, através de métodos de meditação, literatura e muito treinamento para se desapegar da mente viciosa e tagarela.

A Filosofia que eu defendo é essa, onde o homem possa ser livre, sem apegos, sem paixões, pertencimento zero. Porém, ao mesmo tempo, com uma grande bagagem de conhecimento adquirido através dos estudos e pesquisas, esse mesmo sujeito livre, possa pertencer ao máximo de instituições possíveis. Domine o máximo de teorias possíveis, aprenda todas as técnicas que conseguir; porém, quando encontrardes um coração humano, seja apenas outro coração humano. Nesse sentido, seja simples, humilde e discreto. Lembre-se, o sábio cora suas palavras.

Quem escolhe a filosofia para a vida, pode ter uma vida cheia de grandes experiências. Por vezes, dependendo do equilíbrio e da sabedoria da pessoa que é do universo da filosofia, sua vida pode ser muito interessante. Nenhuma coisa boa torna seu possuidor feliz, ao menos que sua mente esteja habituada com a possibilidade de perda.

A melhor coisa da vida é a liberdade, onde ali há sim, solidão, porém, também há soluções mil, ferramentas de combate para o enfrentamento do dia ruim, dos infortúnios. Portanto, os estudos da filosofia em geral, transformam o homem em uma máquina de pensamento intelectual para com tudo, absolutamente tudo, de sorte que a vida pode ser boa ou ruim dependendo única e exclusivamente de como o sujeito quer levar a vida. Por fim, deixarei uma filosofia de minha autoria:

” A solidão de um filósofo junto aos seus livros, é a potência em movimento dentro de uma energia onde o universo se amplia, elevando a capacidade do ser para ser muito além dos seres, de sorte que o ser não caiba nas coisas coisificadas e definidas.”

( Filósofo Nilo Deyson Monteiro Pessanha )



FILÓSOFO, ESCRITOR, POETA, COLUNISTA & PALESTRANTE. Fundador da Filosofia da imparcialidade participativa. Autor do livro de Filosofia Todos os Corações do mundo, e do Livro O Teatro da vida e a interpretação das coisas, quem nos garante ser verdade das coisas. Membro de diversas instituições culturais como por exemplo, é imortal acadêmico da Academia de Letras do Brasil seccional Campos dos Goytacazes, é imortal Acadêmico da Academia Pedralva Letras e Artes, ocupante da cadeira n°17 , Fundador do NAISLA, Núcleo Acadêmico Italiano di Scienze, Littere e Arti. Membro de diversas instituições. Nilo Deyson Monteiro participou de diversas antologias, periódicos e muitos de seus trabalhos acadêmicos estão no Google ao pesquisar Filósofo Nilo Deyson.

Diga-nos o que achou do post: