Em busca do amor próprio

 

Esses dias uma leitora me perguntou sobre qual seria o melhor caminho a seguir para encontrar o amor próprio… Desde 2014 escrevo sobre o “eu”, sobre se amar, se valorizar e principalmente sobre se reencontrar. Tenho feito palestras, vídeos, mas em nenhum deles escrevi sobre o percurso… Sim, existe um percurso!
Há dois caminhos ensinados ao longo de nossas vidas o primeiro é sobre aprender a amar os outros e o outro pouco incentivado ou incentivado de forma mais amena é sobre aprender a se amar.
Mas, este segundo não deveria ser ensinado bem antes de qualquer coisa? Deferia nos ser ensinado com garra que quando a gente se ama, a gente consegue tocar as estrelas!
Ajudaria dizer que se você não aprendeu a se amar não é sua culpa?
A sociedade nos empurra a todo custo a aprender a amar os outros e vamos ao longo da caminhada praticando isso, é, é lindo! Não estou dizendo que seja errado. O que acontece é que vamos nos anulando pouco a pouco sem perceber, vamos deixando nosso amor próprio de lado, vamos deixando de satisfazer nossos gostos para satisfazer os de outras pessoas até que um dia nosso amor próprio deixa de pulsar, se apaga, se vai.
Todo mundo um dia aprendeu a se amar, não estou falando de vaidade. Estou falando sobre se amar mesmo estando descabelada e num dia ruim. Estou falando sobre você conseguir amar seus defeitos, suas manias e exageros. Sobre continuar se amando depois da vida te dar um não bem no meio da cara. É sobre você se olhar no espelho e se paquerar mesmo sem maquiagem. Amor próprio é sobre se colocar em primeiro lugar e isso não é egoísmo.
Uma pessoa que não se ama jamais conseguirá desenvolver amor verdadeiro por outras pessoas. Pode até estar no trabalho dos sonhos, mas não se sentirá feliz. Com certeza se você ainda não se encontrou, se ainda não reaprendeu a se amar se encontra naufragando na própria vida.
E como você faz para reaprender a se amar?
É simples, mas é um processo um pouco longo e exige paciência.
Primeiro você precisa saber que todo mundo já se amou um dia. Já se admirou e parabenizou em algum momento, mas algo aconteceu no meio do caminho que te desligou do seu amor próprio e agora você precisará reconquistá-lo!
O primeiro passo é começar a se elogiar, se quiser faça uma lista sobre suas conquistas, relembre sobre os processos difíceis que já passou e o quanto foi forte e corajosa. Respire fundo e mentalize cada conquista.
Pare de se criticar e comece a se elogiar. Diga para si mesma o quanto se admira. Faça por você tudo o que faria pelos outros, se presenteie, coma sua comida preferida. Se olhe no espelho e diga “eu sou o amor da minha vida”.
Nada acontecerá do dia para a noite, tudo é questão de hábito. Mas, em poucos dias você já começará a sentir a mudança ocorrendo de dentro pra fora, será tão incrível e surreal que as pessoas a sua volta notarão a mudança. Você terá muito mais prazer em realizar suas tarefas, em conquistar sonhos, você será o tipo de pessoa que vai começar a amar a segunda-feira. Pouco importa se o dia está feio ou se não está pintado de vermelho no calendário, quem faz o dia bonito é você!
Desenvolver amor próprio requer desapego e “reprogramação do eu”, há comportamentos que aprendemos que não são para nós, caem muito bem em outras vidas, mas não servem para você e isso requer mudança e readaptação. Comece a se desfazer de ensinamentos e hábitos que minam seu amor próprio. Comece a trilhar sua própria jornada.
E assim que você finalmente acordar com aquela sensação maravilhosa que é se amar conseguirá saber de fato que o amor próprio é o tipo de amor mais lindo que existe e também o mais forte.
É o amor próprio que nos tira do fundo do poço, que nos guia até a luz no fim do túnel. É o amor próprio que diz “respira fundo, vai ficar tudo bem”.
Amor próprio te dá coragem e força. Autoestima e vitalidade. Audácia e fé. Superação e aprendizados. Uma pessoa que se ama realiza tudo com prazer e excelência. A vida profissional melhora, o convívio com a família, o relacionamento amoroso.
Eu me amo tanto que desejo que todas as pessoas que de certa forma cruzarem meu caminho reaprendam a se amar. O amor próprio contagia!

Gostou do texto?!

Saiba mais sobre mim aqui Coisas da vida com Alessandra Benete



Autora de contos, romances, autoajuda e coisas da vida. Sagitariana, carioca, mãe do Alecsander e do Alexandre. Comecei a escrever publicamente em 2015 após sair de um relacionamento abusivo. Gosto de pets e café. Amo fazer trilhas por aí e adoro gente que é pelo avesso que nem eu. Sigo escrevendo um amontoado de coisas, dessas coisa da vida.

Diga-nos o que achou do post: