Deus é brasileiro?

Deus é brasileiro?

Qual a nacionalidade de Deus? Ou qual a bandeira que hasteia o Altíssimo?

São perguntas que precisamos responder a nós mesmos e àqueles que nos questionam sobre os acontecimentos do momento.

Faremos então uma análise bíblica sobre os fatos para que possamos encontrar respostas fundamentadas na própria Bíblia.

Somos milhões

Em uma nação predominantemente cristã encontramos a controvérsia da nacionalidade de Deus.

Por isso, as guerras nas redes sociais tem levantado esse tema, pois analisando o teor das postagens de muitos cristãos a respeito dos acontecimentos contemporâneos podemos ver a tendência a designar uma nacionalidade a Deus.

Somos 65,4 milhões de cristãos (Datafolha 2020) que em muitas situações, “como os ninivitas” não conseguimos distinguir a mão direita da esquerda (Jonas 4:11), no que diz respeito à palavra de Deus.

Desta forma, ensinamentos cada vez mais antibíblicos criam um batalhão de militantes da fé, que a todo momento veem atitudes punitivas de Deus contra os seus desafetos.

Quando na verdade, precisamos de cristãos convertidos, cheios do Espírito Santo, prontos para pregar o amor de Deus, sua doutrina e salvação através da fé.

Sendo assim, nossa fé se torna algo questionável perante a sociedade, que acaba por não entender os eventos que têm acontecido sobre a terra.

Por isso, criam a nosso respeito uma imagem de feiticeiros ou agoureiros, que parecem mais desejar a queda dos malfeitores do que a sua conversão ao evangelho de Cristo.

O que pregamos?

Pregamos a onisciência, onipresença e onipotência de Deus, mas o diminuímos a um mero fazedor de favores, a um Deus de intrigas.

Consequentemente, o tratamos como a um Deus de “montes” (1Rs 20:23) com poder limitado e que julga toda a humanidade pelos atos isolados de uma nação, de um estado, ou de uma cidade.

E ainda, ignoramos o princípio de dores (Mt 24:6-8), por conseguinte, não conseguimos distinguir a dispensação da lei da dispensação da Graça.

Como agimos?

Agimos como se Deus estivesse derramando a sua ira através de tragédias e epidemias.

Porém, essas são consequências da maldição decretada sobre a Terra (Gn 3:17-19), e do estado pecaminoso do homem, que herdou do primeiro homem, Adão (Rm 5:12-19).

Tudo isso é algo que já estava previsto por Deus e registrado biblicamente (Mt 24:6-8).

Portanto, não é algo para se causar espanto e muito menos desespero, pelo menos sobre os que aguardam a promessa.

Ora, Deus tem poder para levar a cabo toda a história da humanidade em apenas um segundo.

Porém , Ele tem um plano de salvação estabelecido para todo aquele que crê.

A lei da semeadura

Não podemos ignorar a lei da semeadura( Gl 6:7) (Pv 22:8) onde colhemos o que plantamos. No entanto, não podemos confundi-la com o princípio de dores, que são os eventos do princípio do fim, decretado por Deus.

Passamos por um período em que a Palavra de Deus vêm se cumprindo, versículo a versículo.

Na verdade, há uma embriaguez midiática, que é o uso excessivo das redes sociais sem filtro, onde encontramos todo o vento de doutrina (Ef 4:14).

Pessoas desinformadas da realidade bíblica disseminam todo o tipo de falácia que mais desfavorecem o evangelho do que o exaltam.

Perdemos tempo compartilhando imagens e vídeos dos quais nem mesmo conhecemos a fonte, criticamos “A e B”, procuramos um culpado para todo tipo de acontecimento, ao invés de indicar a direção a seguir, para que fujam da ira futura( Mt 3:7-8)

Deus não é brasileiro

Somos como uma gota num balde (Is 40:15), um grão de areia na praia do mar. Seria muita ignorância e falta de conhecimento de Deus afirmar que as atitudes de uma nação regem as decisões de Deus.

Ainda que haja aqui em nosso país predominância cristã, estamos longe de nos considerar como parâmetro para a humanidade.

Devido à quantidade de heresias que produzimos e consumimos, e o não conhecimento das escrituras que demonstramos, podemos ser considerados meninos na fé( 1Cor. 14:20).

Portanto, “ Deus não é Brasileiro”, somos nós que embrasileiramos a Deus, mas ele, com certeza não aprova essa nossa atitude.

Autor: Carlos José



Carlos José, é Cristão, Graduando em Pedagogia, e amante da leitura e da escrita .

Diga-nos o que achou do post: