Dependência em Álcool e Drogas e o Transtorno Psiquiátrico: Consequências do Uso e Como Tratar

A dependência química é um problema recorrente nos dias atuais, e representa um grave problema de saúde, prejudicando diversas áreas da vida do indivíduo, como a familiar, profissional e social, além de ser um agravante para a incidência de transtornos psiquiátricos. 

Este fato pode ser evidenciado devido a dependência química ser considerada uma doença biopsicossocial, e a depender do tipo de substância ou do tempo de uso pode gerar consequências e riscos para a saúde do indivíduo.

Diante disso, existem muitas substâncias químicas que podem gerar transtornos psiquiátricos sejam elas a curto ou longo prazo, pois dependem de fatores como a própria personalidade da pessoa ou predisposição genética por exemplo. Portanto, o apoio familiar e um bom acompanhamento profissional são fatores de fundamental importância para o tratamento e reinserção do indivíduo na sociedade de modo saudável.

Dependência em álcool e drogas e o transtorno psiquiátrico

A dependência química, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), é considerada uma doença crônica, progressiva, pois se agrava com o tempo, e primária podendo gerar outros tipos de doenças que podem ser tanto físicas quanto mentais. 

Os prejuízos advindos da dependência química são diversos e em sua maioria irreversíveis. A intensa necessidade do uso de álcool ou drogas prejudica a vida do indivíduo, onde ele acaba ficando refém de seus efeitos, para o alívio de seu sofrimento físico ou emocional.

Os transtornos psiquiátricos são caracterizados por desordens que acontecem no campo mental ou cognitivo, e que podem ter diversas causas, a depender da gravidade.

Para compreender a relação do transtorno psiquiátrico com o uso de álcool e drogas, é preciso saber quais são os efeitos que estes causam ao organismo do indivíduo. De modo geral, essas substâncias afetam de forma direta o funcionamento do cérebro, mais especificamente uma área chamada de sistema de recompensa cerebral que é a responsável por causar sensação de prazer.

Desta forma, a obsessão e compulsão do dependente químico é tão intensa que ele acaba se descuidando de sua rotina de vida. O fato dele mudar a sua maneira de viver, acaba gerando conflitos e sofrimento, levando a pessoa a ter transtornos psiquiátricos, como ansiedade, depressão e esquizofrenia.

Portanto, com o crescimento do sofrimento emocional e físico causados pelos problemas relacionados à dependência química, o indivíduo entra em um processo que se retroalimenta. Percebe-se assim, que a dependência de álcool ou drogas e os transtornos psiquiátricos aliados, podem trazer consequências e riscos para a saúde do indivíduo.

Quais são as substâncias que apresentam maior risco à saúde do dependente? 

As drogas possuem diferentes efeitos e riscos à saúde do dependente, pois dependem tanto do organismo do indivíduo quanto de sua predisposição à dependência ou alguns tipos de doenças. O álcool, crack e cocaína, representam um maior prejuízo à saúde do dependente químico.

Quando a pessoa é dependente do álcool, este representa um papel de destaque na vida do indivíduo, fazendo ele consumir essa substância com mais frequência e em grandes quantidades. O alcoolismo contribui para o desenvolvimento de diferentes tipos de doenças, prejudicando diversas funções e órgãos, como por exemplo, doenças no fígado, problemas gastrointestinais, cardiovasculares, risco de infarto e acidente vascular cerebral, além de provocar transtornos psiquiátricos como por exemplo ansiedade e depressão.

O crack é outro tipo de droga que causa prejuízos à saúde do indivíduo, seja a curto ou longo prazo, ele provoca intensa euforia que possui curta duração e logo em seguida promove o oposto, uma sensação de depressão e fissura pelo consumo de mais drogas. Ela é a que tem maior potencial para a dependência e seus riscos para a saúde, como ataque cardíaco, problemas respiratórios, danos ao fígado, coração, derrame cerebral e desnutrição.

Quando os seus efeitos passam causa a depressão, que pode ficar cada vez mais profunda com o uso continuado, podendo levar o indivíduo a cometer suicídio. A cocaína é um tipo de droga muito perigosa e seus efeitos são muito adversos se comparada a outros tipos de drogas, agindo como um estimulante no sistema nervoso central.

A cocaína afeta a atividade cerebral que está relacionada a área motora e sensorial, causando delírios, insônia e nervosismo, aumentando a frequência cardíaca, náuseas e perda de memória. Os prejuízos se tornam ainda mais sérios quando acontece a deterioração dos neurônios causando lesões no fígado, risco de câncer, esquizofrenia e outros tipos de doenças psiquiátricas.

Consequência da dependência química em números no Brasil

A dependência química no Brasil tem crescido de modo preocupante e em consequência disso, aumentam-se os problemas sociais e de saúde, assim como a incidência de outros tipos de doenças.

De acordo com dados da Fiocruz, estudos revelam que cerca de 3,2% dos brasileiros utilizaram substâncias há cerca de 12 meses antes da pesquisa, o que corresponde a cerca de 4,9 milhões de pessoas. 

Este número cresce quando se leva em conta que a prevalência maior é de homens cerca de 15% e mulheres de 1,5%, nos jovens fica entre 7,4%. O consumo do álcool e do crack representam o maior número de mortes no país, essas duas substâncias retratam grandes problemas à saúde.

Como auxiliar o dependente a superar o vício?

O dependente químico torna-se refém dos efeitos físicos e emocionais gerados pelo álcool e drogas, e por conta disso recusa-se a procurar ajuda, pois não reconhece a sua dependência. Os familiares representam um apoio muito importante no auxílio do dependente para a superação de seu vício.

Diante disso, é preciso que o dependente se sinta seguro, e estabeleça uma relação de confiança com seus familiares, pois, nesse momento ele necessita de ajuda e apoio emocional. Desta forma, também se faz importante manter um diálogo aberto e sem preconceitos, demonstrando que se importa com seu bem-estar.

Outro fator relevante que contribui para auxiliar o dependente a procurar ajuda profissional é a indicação de clínicas para dependentes químicos, como o Grupo Recanto, por exemplo, que possui uma infraestrutura adequada, e profissionais das mais variadas áreas preparados para melhor atender a demanda trazida pelo dependente. 

Acompanhamento psicológico

O acompanhamento psicológico é de fundamental importância para o processo de recuperação de um dependente químico, pois o auxilia em muitas questões em sua vida que causam sofrimento emocional. 

Quando a dependência química é diagnosticada, é de extrema importância que além de seu tratamento, a pessoa também tenha um acompanhamento psicológico, para que a sua saúde seja reestabelecida como um todo, pois, a saúde mental também fica muito comprometida durante o processo do uso abusivo de drogas. 

Clínica de reabilitação

Uma clínica de reabilitação é um ambiente de tratamento especializado para pessoas que estão enfrentando o problema da dependência química. O tratamento é feito com uma equipe multiprofissional, como médicos, enfermeiros, psiquiatras, psicólogos e terapeutas ocupacionais, entre outros, que auxiliam os dependentes na sua recuperação e problemas ocasionados por sua dependência. 

As clínicas do grupo recanto oferecem toda estrutura necessária para a reabilitação de dependentes, além disso, possui um método de tratamento humanizado e individualizado, com uma abordagem biopsicossocial, pois, entende-se que o indivíduo precisa ser trabalhado na área biológica, psicológica e social para que assim ao final do tratamento possa construir um novo estilo de vida, longe do álcool ou drogas.

Conclusão

A dependência química é uma doença crônica porém, tratável, em que acarreta diversos prejuízos à saúde, seja na área física, psíquica ou social. O consumo de álcool e drogas pode gerar consequências ao dependente a curto ou longo prazo, pois seus efeitos são diversos no organismo do indivíduo. 

Os transtornos psiquiátricos são um exemplo do risco à saúde ocasionado pela dependência química. Existem alguns tipos de substâncias que representam um maior risco à saúde do dependente como o álcool, o crack e a cocaína. Algumas medidas podem ser tomadas para ajudar um dependente químico a superar esse momento, como por exemplo o apoio de familiares ou amigos, estabelecendo um bom diálogo com o dependente mostrando a ele que se importa, buscando e assim informações a respeito de seu problema.

Portanto, indicar um bom tratamento em uma clínica de reabilitação se mostra um caminho eficaz para que o dependente possa receber o auxílio necessário, possibilitando que ele construa sua vida de modo saudável sem o consumo de álcool ou drogas.



Diga-nos o que achou do post: