Choro do Neymar é muito mais complexo

Na última noite de sábado, a seleção Brasileira perdeu para a Argentina na final da Copa América aqui no Brasil.

Muitas críticas a arbitragem, a mesmice e falta de variação de tática, alterações equivocadas do técnico Tite, e no final o que marcou muito o choro do Neymar.

Este choro representa mais do que sofrimento, pela perda do título em pleno Maracanã.

Destacaremos alguns pontos abaixo, começando pelo jogador Neymar.

Falta de companhia de qualidade.

Na semifinal onde o Brasil derrotou o Peru por 1×0, muito se criticou o Neymar por ser “fominha”, por jogar só para ele, por não tocar a bola.

Em relação ao meio para frente, quando se olha para os lados, não encontra companheiros de qualidade.

Muitos são “produzidos” pela mídia, pela carência de craque, uma invenção, não seria esse motivo?

Na seleção de 2002 havia Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho, Kaka…

Seleção de 1994: Romário, Bebeto, Zinho…

Não conseguimos encontrar um companheiro de qualidade, para o Neymar dividir a responsabilidade e as jogadas, imagino o desanimo do mesmo ao olhar para o lado e ver com quem joga.

O choro do Neymar não é apenas, pela derrota, muito mais do que isso, deixemos o lado pessoal, vamos falar lado profissional.

Errou muito na carreira, mas quem não erra, quem é perfeito, quem nunca teve que por algum momento na vida parar, pensar e dizer, preciso mudar e mesmo assim encarou julgamentos pelo passado, por decisões erradas.

Precisamos ter mais empatia, porque com outra pessoa é fácil, mas como dizem pimenta no …. dos outros é refresco.

O choro é mais pelo sentimento de estar sozinho, de tentar carregar uma orquestra solo, e mesmo assim ser a todo tempo julgado, não ser reconhecido.

Eu já passei por isso, você já passou por isso, se não passou não se preocupe um dia passará.

Convocação errada, alterações equivocadas, mesmice

O técnico Tite tem muito culpa nisso tudo.

Não consegue e nunca conseguiu em toda a sua carreira, ter variação tática, repertório, “plano B”.

Convocou jogadores que estão em baixa em seus clubes, atletas na qual muito tempo, não está rendendo nada dentro de campo.

Gabriel Jesus, Richarlison, Firmino são alguns exemplos na qual são mais esforçados, do que talento.

SELEÇÃO Brasileira, deveria considerar talento e os melhores daquele MOMENTO para a competição.

Alterações por vezes equivocadas, trocando “seis por meia dúzia”, medo de ousar, inovar, quando faz um a zero recua, não tem fome, vontade de jogar futebol, dar espetáculo, pragmático, chato.

Não esperem nada demais da nossa seleção na Copa do Mundo, porque tudo que poderia ser apresentado ou “sugado” de Tite já foi e o cardápio é esse sem novidades.

Não temos treinadores, mas gestores de elenco

Opinião compartilhada por várias pessoas, não temos mais treinadores no Brasil, mas gestores de elenco.

Não há treinador que encontra a deficiência do jogador no seu clube e procura melhorar, treinar a exaustão até a evolução, mais fácil encostar, emprestar, dispensar.

A maior preocupação é não perder o cargo, não preparam jogadores, por isso a qualidade dos jogadores brasileiras é tão pífia.

Nunca tivemos uma geração tão medíocre de técnicos como agora, e não se vê luz no fim do túnel.

CBF

Envolvida a tantos escândalos, afastamentos, denúncia de corrupção, calendário totalmente inapropriado, uma bagunça, diria zona mas lá tem mais organização.

Tudo isso impacta no atual momento do futebol brasileiro.

Na copa do mundo não esperem muita coisa, porque com esse atual elenco, treinador, filosofia o sucesso é improvável.



Formado em comunicação audiovisual, hobbie é escrever. Amante de futebol, criador de conteúdo, roqueiro, mente um turbilhão de ideias.

Diga-nos o que achou do post: