AVENTURA NO FORROZÃO

 

AVENTURA NO FORROZÃO

     São João em Maceió é tudo de bão!
Ciço levou seu primo carioca para conhecer o palhoção Poeira Na Canela.
Disse com uma grande alegria que o primo sairia de lá casado,
Ciço era mesmo uma resenha, todo presepeiro !
Só vivia afoito pra namorar, só vivia no queijo.
Tinha perdido as contas de quantas bocas havia beijado.
Tinha disposição para forrozar até amanhecer,
Enquanto isso Leonardo, o primo carioca, estava sondando o terreno.
Recém-chegado na Terra dos Marechais já caiu nas graças de uma alagoana, de tão boa pinta que era.
Rosana, filha do delegado, na noite de São João ficou a esperar o namorado para os dois comerem milho cozinhado.
Mas Leonardo farrapou com a namorada, e aceitou o convite do primo para curtir o palhoção e cair nos braços da mulherada.
O jovem carioca tratou de se arrumar, colocou a calça, a bota de couro, ajeitou a fivela, camisa xadrez e chapéu de palha e vamos simbora!
Leonardo não fez feio e partiu pra cima, sem acanhamento.
Sem pensar em casamento.
Só curtindo uma noite alegre no forrozão!
Só beijando na boca e sentindo os corpos coladinhos e suados e a poeira levantando,
E o som da sanfona arrepiando !
Leonardo nem se lembrava de Rosana,
Só na farra
Só aproveitando
Porque a noite era uma criança
E o forró só comendo
E as bocas saboreando beijos
Luz do desejo
Luz da fogueira
A noite se despede
Ciço e Leonardo saem do palhoção acompanhados
Ciço com duas mulheres
Era o rei da lábia
Leonardo com Sulamita,
Linda morena da boca pequena
E de grandes lábios.
Leonardo a levou até num casarão onde ela trabalhava,
Era empregada doméstica.
Leonardo a beijou muito,
Beijo gostoso e inesquecível
E a abraçou bem forte
Para guardar em sua alma os momentos inesquecíveis de uma linda festa de São João.
Alegria só ficou naquela noite.
Porque depois, veio a realidade
Como explicaria para Rosana o furo do encontro?
Leonardo ficou com medo,
Deixar mulher alagoana esperando,
Ainda mais sendo filha de delegado,
É dose, é sofrer um bocado.
Tinha que estar com a explicação na ponta da língua!
E o que ele disse pra namorada foi que como um bom turista não poderia deixar passar a oportunidade de conhecer o São João do Nordeste.
E aprendeu com o primo Ciço a ter lábia,
A dar nó em pingo d’água.
” Oh Rosana meu amor, deixa pra lá, venha me beijar, vamos fazer amor estou com água na boca”.

( Autor: Poeta Alexsandre Soares de Lima)



BIOGRAFIA Eu me chamo Alexsandre Soares de Lima, sou poeta romântico e escritor que fala sobre a importância de viver na luz do amor. Nasci em Meriti, no Rio de Janeiro, no dia 22 de Abril de 1976. Iniciei meus estudos aos 4 anos de idade. Estudava no quintal da casa de uma vizinha, a escolinha da Dona Zezé. A partir daí, sempre me dediquei aos estudos. Aos 12 anos, ganhei dos meus pais, de presente de aniversário, uma máquina de escrever. Com ela, a mimha brincadeira preferida era escrever jornalzinho. Sempre gostei de escrever, era um excelente aluno em Língua Portuguesa. Aos 17 anos, talvez movido pela tristeza da separação dos meus pais, após a minha mãe ter saído de casa, ter sumido no mundo, comecei a escrever pensamentos. Eu era um jovem introspectivo, tímido, e escrevia para desabafar, colocar pra fora o que sentia. Depois dos pensamentos, logo passei a escrever poesias. Aos 20 anos, em 1996, eu lanço meu primeiro livro de poesias intitulado ENGRENAGEM, no mesmo ano em que ingresso na Faculdade de Letras. Minha professora de Literatura foi quem organizou a Noite de Autógrafos no salão nobre da faculdade. Ela selecionou alguns alunos para declamarem meus poemas do livro. Em Maceió ( AL ), terra dos meus pais, fiz uma exposição de poesias na Secretaria de Cultura e na Biblioteca do SESC, além de ter declamado em um centro de artes do mesmo estado. Concedi algumas entrevistas para rádios e emissoras de televisão de Alagoas. Em 2005, lanço meu segundo livro intitulado COM O OLHAR FIXO NA ALMA. Com esta obra, fui me aprofundando nos assuntos da alma e do coração. Busquei libertar a poesia que está dentrode cada um de nós. Numa época em que a internet dava seus primeiros passos e era um recurso difícil de ser acessado, eu divulgava minhas poesias nas rádios comunitárias de bairros cariocas e também na Baixada Fluminense. Há 7 anos venho divulgando minhas poesias nas redes sociais. Tenho canal no youtube que se chama POETA ALEXSANDRE SOARES DE LIMA. Lá, diariamente publico vídeos em que eu crio na hora poemas que tocam o coração, mensagens de amor, amizade, esperança, luz e fé em Deus.

Diga-nos o que achou do post: