As dúvidas que nos atormentam

O ser humano é o ser da dúvida. Você pode pensar, meditar, rezar, analisar e até colocar os prós e contras no papel antes de tomar uma decisão. Mas após se decidir, lá vem ela te atormentar… Será que tomei a decisão certa? E se der tudo errado daqui pra frente? E se eu tivesse insistido um pouco mais na opção anterior? Será que consigo voltar atrás? Pronto… lá está você mergulhada em dúvidas. Admiro quem toma decisões rápidas e não fica olhando pra trás (será que não olha mesmo?). O fato de ser libriana parece que favorece ainda mais minhas indecisões. Gosto de pesar os dois lados pra não me arrepender. Não costumo me arrepender, pois sei que a decisão tomada foi a melhor que pude tomar naquele momento. No entanto, as dúvidas costumam dormir à noite comigo e não desaparecem pela manhã. Você também é assim? Por que será que isso acontece?

Primeiramente acho que as dúvidas atormentam mais as pessoas perfeccionistas, aquelas que acreditam que podem tomar decisões definitivas e perfeitas. Não é possível viver sem errar, sem ter que dar meia volta, sem ter que rever certas posturas. No entanto, vivemos achando que poderíamos ter feito melhor, que a vida precisa ser linda e perfeita. Não é assim. Tem dias que parece que tudo dá errado, porque o ciclo da vida é contínuo, tudo muda o tempo todo no mundo (como canta Lulu Santos). Aceitar a imperfeição não é fácil, mas só assim pode-se respirar e viver de forma mais leve.

As dúvidas também fazem morada em quem pensa demais. Isso mesmo. Quem racionaliza demais as coisas, acaba traçando mapas mentais em todas as direções possíveis e com isso fica tentando controlar as consequências de cada passo dado. Para diminuir isso é imprescindível agir mais e aumentar a fé em Deus. Quando a fé está presente, ela nos tranquiliza que estamos sendo cuidados por Ele e assim, como a criança diante do pai, pode-se respirar e ficar mais tranquilo. O Pai Todo Poderoso está no comando, pra que se preocupar tanto? É mais ou menos assim. Então, racionalize menos, viva e confie mais.

Outra coisa que pode abrir nossa mente para as dúvidas é a nossa mania de comparar tudo. A comparação nos faz sempre medir os resultados de tudo, seja comparando com o nosso passado, ou o pior: comparando com os outros. Posso mudar de emprego e estar feliz, mas aí começo a pensar nas coisas boas do emprego anterior e passo a ter dúvidas. Ou então, olho para o colega que já está na empresa há 10 anos e o que parecia novo e divertido pode se tornar meio cinza como o colega cansado da rotina. Ou pior ainda: olho meu novo emprego, minha nova oportunidade e comparo com aquela promoção que meu vizinho contou ter recebido. Puxa, estava tão legal meu salário e minha nova função, mas agora parece tão pequeno…

Precisamos estar atentos a essas atitudes pra que as dúvidas não tirem nossa alegria de viver. Está tudo bem se a escolha parecia a melhor e agora não é 100%. Nada é perfeito. Está tudo bem se o resultado das nossas escolhas não nos levou onde achávamos que iríamos. Quem sabe não chegamos no futuro em um lugar melhor? Fortaleça sua fé e toda vez que um pensamento negativo atravessar sua mente jogue-o fora com uma imagem positiva contrária a ele. Deus está no comando, lembra? Seu barco não está à deriva! E lembre-se de focar na sua vida, no seu momento e nas suas conquistas. O que é do outro é do outro. Viva os seus momentos presentes. E viva-os intensamente!



Carioca apaixonada pelo mar e pelas montanhas, hoje vive em Belo Horizonte e é mineira de coração. Ama livros, literatura, cinema e música. Vive uma busca constante em aprender e explorar o mundo, mas cada vez mais se volta para o autoconhecimento e a autocura. Escreve desde sempre: crônicas, resenhas, artigos literários e artigos diversos. Já foi revisora de livros e professora. Agora dedica-se a ler e escrever.

Diga-nos o que achou do post: