Ano Velho e Ano Novo

“Ano que vem eu cumpro as promessas que fiz esse ano”.
Li essa frase em uma camiseta usada por uma conhecida, e a achei apropriada para iniciar minha linha de raciocínio. O ano está se encerrando, e naturalmente em dias iniciará outros. São períodos reflexivos, e também esperançosos. Todos, o pelo menos a maioria, cria expectativas, projeções e planejamentos para o ano que irá se iniciar. “O Ano novo” sempre trás a possibilidade de melhor a vida, de conseguir suas realizações, de ser mais feliz.
Não quero acabar com as esperanças de ninguém, muito menos colocar água no chopp, mas a verdade é que nada mudará simplesmente pela virada do ano. Um ciclo termina, e em tese começa outro exatamente igual. Somos sistemáticos, dividindo nossa rotina e vida em dias, semanas, meses e anos, alguns são mais adeptos da numerologia que outros, contudo, todos estão inseridos nessa cultura estrutural do tempo.
Não é questão de ser certo ou errado, contudo, a vida, para prosperar de fato, precisa sofrer processos de mudanças mais sólidos, do que apenas o início de um período de doze meses.
Faço um parenteses para lembrar que existe explicações cientificas para o fato de termos esse calendário, divido em períodos, estações e mesmo o ano, como os movimentos de rotação e translação do planeta. A questão, é que o foco dessa coluna é outra.
No mês de dezembro há duas datas marcantes em nossa sociedade, o natal no dia 25 e o réveillon, um semana depois. Além de todo o engajamento comercial, a questão de presentes e outros elementos, é comum reuniões de famílias, festas de finais de anos, reencontros, eventos interessantes e reflexões ou pseudo-reflexões realizadas por muitos indivíduos. E não há nenhum problema em nenhuma dessas atitudes, contudo, terá alguma representação todos esses eventos sem ações práticas que contribuam para alguma mudança?
Ter fé, pensar positivo, com boas energias, rituais de pular ondas, comer lentilha e outras ações costumeiras, podem ter sua importância. É evidente que pensar de maneira otimista faz bem para corpo, alma e mente, em todos os sentidos, contudo o mundo, as pessoas e sua vida não irão melhorar pelo simples fato de vocês terem “bons fluídos” ou acreditar que usar uma determinada roupa, uma cor ou um amuleto será o segredo para resolver todos os problemas. Não estou aqui para desconstruir os elementos de fé e superstições de ninguém, contudo, Deus, ou qualquer figura que você acredite não resolverá seus problemas, se você não tiver atitudes e buscar as mudanças. Há um ditado que diz que nada cai do céu. É basicamente isso.
Seria um erro dizer que as mudanças são simples, que melhorar como indivíduo e compreender melhor a sociedade e as pessoas com que se convive é fácil, contudo, saber que terá que batalhar para suas conquistas já é um passo. Ninguém passará em um concurso público se não se dedicar minimamente, nem conseguirá um emprego se nem ao menos enviar currículo.
Um ditado, que desconheço a origem e seu autor diz que “você pode levar o cavalo para beber água, mas não pode beber água pelo cavalo”. Essa frase diz muito sobre muitos aspectos da vida. Deus, amuletos, boas energias, até podem contribuir de alguma forma para uma melhora, mas não resultarão em nada realmente pertinente sem as ações humanas para busca de melhorias. E serve também para entender que algumas pessoas não mudarão suas atitudes, mesmo você se esforçando para tentar mudá-las. É um processo de entender que está alinhado em pensamentos com você ou não, quem pode contribuir, somar com você, quem é um peso morto, e quem te atrapalha. A palavra em moda para isso é “pessoas tóxicas”.
Uma atividade cíclica é colocar fé demasiada na mudança de ano, e que o recomeço corrigirá todos o problemas acumulados por toda uma vida. Milhões de promessas são feitas, expectativas, ações superficiais, fé e esperança. Entusiasmo é a melhor palavra que define o momento e comportamento. Algumas vezes é possível que haja algum resultado nos primeiros dias do ano, ou nas primeiras semanas, quem sabe o primeiro mês. Logo essa euforia diminui, e a rotina retoma, as ações são as mesmas, e todas as projeções falham. O ano caminha para ser mais um ciclo frustrado, onde nos últimos meses voltará a esperança de que o próximo ano será ainda melhor.
Por isso a frase com que iniciei essa coluna: “Ano que vem eu cumpro as promessas que fiz esse ano”.
Há também o caso em que as pessoas esperam para buscar as mudanças depois do carnaval. Perdem nisso quase um décimo do ano, e após o carnaval nada conseguem.
Não entenda errado, não quero transmitir um viés pessimista ou promover que de nada adianta ter fé. Tão pouco afirmar que você está destinado a continuar com a mesma vida. Hoje inclusive, posso me dizer um homem de fé, e é claro que há situações – como doenças – que se tornar mais importante acreditar, fazer orações e similares. Contudo, o que quero expor é que apenas como mudanças de atitudes, novos comportamentos, novas condutas resultarão em uma melhora efetiva de vida, e não apenas a transição de um ano para outro.
Encerro esse ano vendo boas perspectivas para o próximo ano em alguns aspectos, e pouco otimista em outros. No primeiro caso, assim estou não pela simples mudança de ano ou por elementos abstratos, mas principalmente porque o ano encerra bem encaminhado nesses quesitos. E no que estou pouco otimista, se faz uma análise de toda a conjuntura atual, passada, projetando-a para o futuro. É o mesmo cenário, as mesmas pessoas, com as mesmas atitudes, cometendo os mesmos erros, vivendo em sua bolha, com seus egoísmos e egocentrismos, seus defeitos e descasos com questões importantes – muitas vezes procurando justificá-las em milhares de desculpas, como seu signo ou demais elementos – e geralmente não tendo nem mesmo a capacidade de enxergar que erram, acreditando sempre que estão conduzindo sua vida da melhor maneira possível. Sofrem miseravelmente as consequências erradas de suas ações ou a falta delas, mas nunca conseguem entender que possuem culpa, ou parte dela, nos problemas e consequências do que sofrem.
Nesse caso é inocência imaginar que pessoas ao meu redor irão mudar suas atitudes. Tenho eu, que mudar minha forma de agir, alterar minhas expectativas e entender que as pessoas são desse jeito. Concordando ou não. Esperar que um leão vire vegano, ou que uma abelha não te pique quando se sentir acuada é tão ridículo como desenhar idealismo no ser humano. As coisas são como são, gostando ou não. Me lembro de outra frase que não tenho certeza sobre origem ou autoria: “Não importa o quanto você se importa, há pessoas que simplesmente não se importam”.
Evidente que é preciso ponderar os pontos positivos e negativos, e se recordar das boas ações dessas pessoas, não se deve ter radicalismo. Pois as pessoas podem ter julgar com a mesma rigidez com que você julga. E pode ser você a pessoa que não se mostra amigo (a) de verdade. O ideal é uma analise sensata de cada situação, não lembrar apenas as coisas ruins quando está com problemas ou brigado com as pessoas, e só lembrar de coisas boas quando está sem problemas com as pessoas. É preciso ter uma análise com maior cautela e ponderação.
É necessário entender que cada indivíduo é responsável pelas suas ações e escolhas, além das ações, o que se pratica o que deixa de ser praticado. Alguma mudança só acontecerá com novas práticas, pois esperar novos resultados, agindo da mesma maneira é tolice.
Tive muitas decepções esse ano, muitos acontecimentos que me fizeram refletir sobre muitas condutas e se vale a pena seguir dando valor em determinadas circunstâncias. Um ano tenso, muitos conhecidos e pessoas próximas deixaram esse mundo. Evidente que alguns desses fatores acontecerão/aconteceram ou não independente da minha vontade ou ação, contudo, a maneira como se comporta e encara as adversidades é uma escolha.
Espero que todos tenham um bom ano novo, aproveitem as oportunidades da vida, entendam o intuito desse texto, e que tenham consciência que o ambiente nem sempre será favorável, mas mesmo assim é preciso continuar com seus objetivos. Que nesse mesmo período no próximo ano todos possam estar comemorando as realizações do ano, e não lamentando. Cada um precisa fazer a sua parte.


Despertei a paixão por escrita e resolvi desenvolver essa arte. Tenho um perfil de textos no instagram, @textosimceros, trabalho com assessoria contábil e estou desenvolvendo um projeto de genealogia. atividades não relacionadas com a escrita.

Diga-nos o que achou do post: