ANJO NILO DEYSON – Artigo

FILOS-ANJO

“Toda vez em que, na aparição de um anjo,
Tu, não tiverdes atento com sua sensibilidade, não poderá perceber nem sentir com coração tal visitação que, por encanto abre suas asas sobre os homens; afim de dividir por puro prazer, um pouco daquilo que dele é próprio, para que volte no eterno retorno da próxima necessidade do uni-verso. Quem estiver atento terá fragmentos daquilo que por afã se espera.

Filósofo Nilo Deyson Monteiro Pessanha”

Subi até o céu cair ou mudar de cor, gosto de ir por onde ninguém for. Não tenho caminho fechado a seguir, tendo em mim, cada manhã o destino que de ninguém pode ser. Procure-me onde estou, se meu jeito te surpreender é que tu é pura razão. Viver vivo sem fingir, quiçá fugir.

Escondo em meu olhar pedir não mais que permitir, vejam em mim apenas o que eu te permitir que vejam, sombras no porão, fauno lunar. Me desculpe estranho, eu voltei mais puro do céu.

Já pensou se existisse reencarnação? Ficção? Vejamos o futuro da loucura: Toda mente é fantasia, nada pode provar a realidade, aceite tudo que te falarem que a mentira será sem você saber, a verdade “esquemas/sistemas”

Reencarnei mais uma vez, desde minha última partida 1976, fiz que fui, mas voltei, 1981 para repetir o amor dentro de um bombom onde há licor. Até que o sol me faça ir até o fim, do alto coração, voltarei sempre neste eterno retorno, afim de amar mil corações que são todos um, apenas um, comigo somos, para sempre, dois cometas de uma mesma estrela, só, vazio, o ser e o nada, à serviço de alguma coisa maior do que eu.

ANJO se fere! Quando fui ferido, descobri quem sou, vi tudo mudar das verdades que eu sabia, de tudo, só sobraram restos. Foi o fim das vozes no meu rádio. A solidão no espaço é sempre igual, enquanto o tolo teme a noite, eu, fogo que sou, sol somos nutrientes no universo cósmico. Não há religiões ou deuses que sejam donos da totalidade daquilo que é verdadeiro e único, tudo não passa de invenções de adultos infantilizados desde sempre, basta pesquisar, ler fontes oficiais na história e contraditórias teorias com documentos oficiais, para se perder do mito da caverna, para sair da ilha. Quem é você?  O que existe é segredo, quanto à mim, só enxergará do seu espírito aquilo que eu te permitir ver. Cuidado com suas crenças absolutas tidas como verdades, pois, para o seu próprio entendimento, nem tudo que reluz é ouro e nem tudo que brilha é prata, o que existe é pra se vicejar, porquanto que toda sã consciência é o futuro da loucura. A trajetória escapa o risco, nuvens passam, se dispersou a fumaça, eu puro anjo, abro as asas sobre os homens, logo não é preciso uma verdade nova, tudo é aventura no teatro da vida, tudo é vaidade, capitalismo, egocentrismo, ilusão da imortalidade; em ser, ter, possuir e morrer, depois sumir de ter existido após partido, seja para direito ou esquerda, céu ou inferno, tudo é mistério, não leve a vida tão a sério; estrague-à como quiser.

Choro sem medo, mas com saudades por esperar novamente que agente, eu, o ser, e tu, nada, que é a vida externa, nós em corpo celeste, loucuras-mente, angelical damos as mãos até outras constelações ou encarnações, e nascermos não os mesmos, mas com corações de espírito recíproco por percepção de conexão de ser de um mesmo lugar, paraíso de pantaleão, ou no Céu do eterno Deus, estrela distante desta galáxia que aguarda pela missão a ser cumprida para eternamente viver a essência do que é a vida, à saber, a alma, o amor evoluído no ápice de sua plenitude.

Eu que tinha tudo, nada tinha, meu silêncio em vida, meu armário bagunçado, mundo fechado para visitação, saudades de meu céu. Não, não toque em meu silêncio se não for para me apresentar uma companhia de verdade, anjos calados, sem aís, sem vaidades. Não, não estou bem certo se ainda vou sorrir sem um trago de amargura. Eu desço coisas sobre a vida, disparo grãos-vizir; sem camisa de força ou de Vênus, apenas sei, louco sou, sendo eu, muitos em mim e todos se assentam à mesa comigo; seria uma incógnita indecifrável. Seria portanto eu, um gênio? Talvez um Filósofo reprimido, porém livre, solitário pronto pra partir ficando.

Prazer vida, prazer em conhecer, um gosto sem igual, da tal felicidade; bom saber que sempre há um tempo pra gostar, sem pressa de gozar, sem nada se provar, nenhuma explicação sobre essa força que nos une, eu, espírito, existência, tu, vida.

Idas e vindas, aqui no céu tudo é belo, lindo, sereno, águas claras que conta sobre pedras, de onde saem sons de calmaria em harmonia; sons de pássaros, observatório da consciência primeira, da real natureza onde fora da linguagem tudo é silêncio, céus, não infernos.

Voltei novamente ao planeta onde adultos infantilizados se acham sob tutela da verdade. Ah, terráqueos, tanto vaidade. Não restará nada de ti daqui pra li, tudo em ti desaparecerá, pó, lama, seu futuro assim será, oh, essência, fragmento do chão, da terra, caveira, cadáver adiado.

Passei novamente por aqui, 1981 nasci de novo, desde 1976 havia partido, porém, sei bem, missão dada, missão cumprida. Desculpe minha poeira, estou passando, me achando, e sabedor de que nada sei, de que nada sou, evolui para seguir. Imagina, já pensou se vivo uns 80 anos; aff, enlouqueceria o mundo profano.

Verdades mentidas, tidas por verdade, não são! Tudo debaixo do sol é vaidades. A letra mata, o espírito vivifica, JESUS meu senhor eterno, minha vida, Espírito Santo, minha proteção, eis aqui teu servo, o martelo quebra chão. Agora porém, veja bem, pense bem, leiam para livres serem dos segmentos que te apontarei. Leiam livros e assistam documentários sobre:  Filosofia, Teologia reversa e teologia tradicional, leiam sobre neurociência, psicologia, história política no mundo, sociologia, física quântica, religiões, tradições dos povos, história da religião, capitalismo, comunismo, monarquia, espiritismo, kardecismo, budismo, esoterismo, satanismo, cristianismo, universo, ciências, teatro, música, literatura brasileira e mundial; enfim, se você ler ou começar a ler todos os tipos de segmentos, faça isso de forma imparcial, deixando de lado seus achismos, preconceitos e convicções, para você alcançar a distância máxima fora da ilha, pois só se pode enxergar a ilha, fora da ilha.

Claro, obviamente, se tu, oh, medroso terráqueo, é dominado por quem não te permite que se oponha, terás grande probabilidade de ter uma existência rasa, medíocre, onde tu serás esquecido, no vazio existencial e, em pouco tempo, aliás, no futuro, a fama durará apenas por 15 minutos.

Tornei-me mensageiro de alguma coisa maior do que eu, talvez, do Grande Arquiteto do Universo !!! Memórias do que escuto e não esqueço, lembro quando vejo, ensino o que aprendo, assim sou, porém, sendo este último, apenas o que quero ensinar, pois a cereja do bolo, o talento dos movimentos é dom, não se ensina; pois o gênio quando perguntado demais, volta para dentro da lâmpada do encantamento.

O inferno são os outros, pois sem alegria, existe a calma; e o verdadeiro mestre te empurra para dentro de si. Nunca é alto o preço a pagar pelo privilégio de pertencer a si mesmo.

Me pertenço, leve, livre, solto no universo em ciclos de idas e vindas, vidas evoluídas à caminho do paraíso perfectus, pronto por inteiro, todo, até o fim. Ali, enfim, repousarei minha agonia adarilha. Porei os pés nas águas que correm do trono para terapiar a desfelicidade, tendo agora a qualidade do pensamento não pendente, resolvido, calado.

Queria que todos pudessem deixar as alegorias da caverna, a servidão voluntária, mas é natural zumbis nascerem e morrerem como se nunca tivessem vivido, almas não desenvolvidas que de vindas e partidas, o eterno retorno da sempre por um afã de vê nascer o espírito livre, do ir além do bem e do mal, do nascer de um super humano. Mas todos preferem prisões que garanta segurança e mediocridade, gostam da mentira, máscaras e convenções sem serem de verdade quem são, quiçá falar ou viver o que querem ou onde querem.

Observe o silêncio de um anjo.

Tu me conheces? Nunca parou para perceber em mim que não sou daqui? Gargalhadas dou, anjo não sádico, mágico sem vaidades, gênio que viu errar santo-antão na caverna com o velho diabinho, frágil, fraquinho. Eu, mensageiro do evangelho de Cristo, ferido, porém não caído, vivo rindo das comédias que criaram em textos que se fazem verdade absoluta e última, que deu no passado uma estrutura forte ao esquema, digo, sistema.

Se Libertei mil escravos e teria libertado outros mil se estes soubessem, é de efeito louvável de ser pensar, porém, por azar não há quem queira me escutar, porquanto que os loucos lúcidos serão ouvidos ou vistos após partir para o otimismo perspicácio, a saber, o céu.

Que céu? Voei até o céu cair ou mudar de cor, aqui portanto, no espaço, a solidão é sempre igual.  Toda mente é um cofre, não existem mentes impenetráveis, apenas chaves erradas, converse comigo e após um diálogo, estrague sua vida como quiser.

A culpa de todos os problemas é a criação do problema, eliminando porém ele, ainda estando ali, não terá potência em uma mente completamente desenvolvida de paz, silêncio e desapegos. Como porém eliminar o problema? Simples: ” Deixe ele se divertir achando existir, tu, porém, solução, nem tempo tem para ilusão. ”

Enfim, sou anjo, tenho que partir, mas antes não esquece de discernir, santidade é para santos e santos são como unicórnios, dragão e mula-100-cabeça; eu porém, com toda certeza, serei uma eterna surpresa, portanto, não me espere, nem crie expectativas, sou uma incógnita, bipo-lar pelo lar que me acompanha fora da ilha, onde sentado nas colinas de outros montes, em pé não em ombros de gigantes, enxergo distante o corre corre das pessoas razão, não viajantes.

” Sou todo emoção, sensível anjo desde criança, sei que algo diferente existe em mim. Estou além do meu tempo, me julgo assim sem prepotência ou arrogância; é mesmo difícil essa distância entre uma mente de um gênio e a mente-que-te-mente.” Filósofo Nilo Deyson Monteiro Pessanha

 

No Google: Artigos Filósofo Nilo Deyson Monteiro Pessanha.



FILÓSOFO, ESCRITOR, POETA, COLUNISTA & PALESTRANTE. Fundador da Filosofia da imparcialidade participativa. Autor do livro de Filosofia Todos os Corações do mundo, e do Livro O Teatro da vida e a interpretação das coisas, quem nos garante ser verdade das coisas. Membro de diversas instituições culturais como por exemplo, é imortal acadêmico da Academia de Letras do Brasil seccional Campos dos Goytacazes, é imortal Acadêmico da Academia Pedralva Letras e Artes, ocupante da cadeira n°17 , Fundador do NAISLA, Núcleo Acadêmico Italiano di Scienze, Littere e Arti. Membro de diversas instituições. Nilo Deyson Monteiro participou de diversas antologias, periódicos e muitos de seus trabalhos acadêmicos estão no Google ao pesquisar Filósofo Nilo Deyson.

Diga-nos o que achou do post: