A culpa é de quem?

Nos últimos dias está “explodindo” na mídia, casos de filhos matando pai, pai matando filho, jovens debandando como nunca antes para crimes, parece roteiro de um filme sobre o apocalipse.

Não temos mais tempo para cuidar dos nossos, e a pergunta que fica a culpa é de quem?

 

1 – Família

Nunca o sentido da palavra família, foi tão discutida e desvalorizada.

A família não se reúne mais para fazer uma refeição, conversar como foi o dia de cada um, olhar no olho, muito disso por culpa deles mesmos e de empresários na qual discutiremos mais abaixo.

Não toleram erros, como se os pais/filhos fossem perfeitos, não participam do “mundo” um do outro, não compartilham.

Não se educa, não se perdoa, não reserva um tempo para ficarem e fazem programas juntos.

Família tem que voltar a fazer sentido, pois ela é base de tudo e muito da sociedade estar dessa maneira, porque temos tempo para tudo, menos para os filhos, pais, mães, avós…

 

2 – GRANDES Empresários

Ganhar, faturar, trabalhar sem cessar, negócios em primeiro lugar.

Esse é a missão, meta, de quase 100% das grandes empresas atuais, corporações.

O pobre do trabalhador não tem culpa, ou se sujeita a isso ou passa fome, a culpa é 100% dos GRANDES empresários e leis existentes, que não favorece o principal patrimônio das empresas: O trabalhador.

Não dão tempo de descanso necessário para o colaborador, que muitas vezes não é visto assim, mas como número e acredite, vários empresários acham que é um favor empregar, não é visto como uma troca, na qual é a relação de trabalho.

Escalas 6×1 por exemplo, turnos de madrugada sem necessidade, tirando muitas mães/pais, dos convívios com seus filhos, do seu crescimento, da sua educação, fazendo perderem momentos que não irá voltar, tirando aquilo que é importante citado anteriormente: Ter o momento família.

Afastam de sua família, muitos por um salário medíocre que não dá para pagar os boletos no fim do mês, mas o lucro dos empresários, não para de crescer, e os salários dos colaboradores estagnados.

Muito empresários ficarão indignados lendo isso, mas há realmente necessidade de escalas tão extensas e covardes, há mesmo a necessidade de lucro a qualquer custo?

Não dá para equilibrar saúde financeira, com saúde daqueles que fazem o seu negócio “girar” que é o trabalhador?

Décadas atrás não era necessário trabalho de domingo a domingo, nessas escalas e turnos absurdos, e todos viviam muito melhor.

Tudo é lucro como se isso fosse o mais importante, fabricando uma sociedade doente, frustrada, ferida.

A riqueza aqui colecionada de nada serve.

Quando fizermos a passagem, mais importante é aquilo que deixamos como pessoa, como legado, sua riqueza colecionada outro vai desfrutar.

A pergunta que fica é: Você viveu ou sobreviveu?

Você viveu, à custa de quantas vidas infelizes, frustradas que você mesmo provocou?



Formado em comunicação audiovisual, hobbie é escrever. Amante de futebol, criador de conteúdo, roqueiro, mente um turbilhão de ideias.

Diga-nos o que achou do post: