6 Inovações Tecnológicas no Futebol

Matéria Original: https://www.linkedin.com/pulse/6-inova%C3%A7%C3%B5es-tecnol%C3%B3gicas-futebol-frank-toshioka/

 

1) Projeto de neurociência nas categorias de base (2017)

 

Em projeto inovador e pioneiro no Brasil em junho de 2017, o Palmeiras tem aplicado a neurociência no futebol com intuito de melhorar a performance dos atletas das categorias de base. A primeira equipe a participar foi o Sub-17, que passa por dez sessões de treinamento que visam desenvolver as capacidades cognitivas dos jogadores e, assim, aperfeiçoar o desempenho em campo. Os testes foram aplicados em parceria com a Sensorial Sports, desenvolvedora do projeto. (Palmeiras Neurociência, 2017).

Os atletas são submetidos a dois testes diferentes, realizados através da utilização de óculos de realidade virtual ligados a um programa que avalia habilidades essenciais para o esporte – como tempo de reação, tomada de decisões, visão periférica, impulsividade e atenção. O projeto é organizado pela psicóloga do Palmeiras, Gisele Silva, e conta com a colaboração do departamento de análise de desempenho da base e do treinador do Sub-17, Artur Itiro. (Palmeiras Neurociência, 2017).

Caio Moreira, diretor científico da empresa, destaca a boa aceitação e a colaboração do Palmeiras no projeto. “Nosso objetivo é transformar a neurociência em um fator essencial para a prática esportiva. Assim como fisioterapia, nutrição, entre outros, são essenciais hoje no esporte de alto rendimento, acreditamos que a neurociência fará parte disso no futuro”, disse. (Palmeiras Neurociência, 2017).

 

2) Tecnologia no esporte: como a análise de dados aumenta o desempenho de atletas (Noticiasconcursos, 2020)

 

O futebol é a área em que a análise de dados se destaca. O time inglês Liverpool, por exemplo, estabeleceu uma forte estratégia de big data para aumentar a taxa de vitórias do time. Baseada em controle de campo, o departamento de dados do clube consegue estabelecer, durante o jogo, qual a probabilidade de gol em uma jogada.

A cor vermelha no gráfico abaixo apresenta o controle que os jogadores do Liverpool têm em campo. Se o time adversário quer manter a posse de bola, o mais seguro a se fazer é fugir das partes em vermelho e tocar para quem está na parte azul.

Forte estratégia de big data para aumentar a taxa de vitórias do time (Imagem: reprodução/Liverpool.com.)

Ao combinar dados de evento e rastreamento, o Liverpool consegue obter previsões de possíveis jogadas e até mesmo a probabilidade de um gol. Tim Waskett, membro da equipe de ciência de dados do Liverpool, explicou em uma matéria do próprio site do clube, como funciona essa previsão. Atente-se a este segundo gráfico, em que o time vermelho é o Liverpool e as áreas em vermelho são os lugares em que eles podem chegar antes dos adversários (em azul):

Previsões de possíveis jogadas e até mesmo a probabilidade de um gol (Imagem: reprodução/Liverpool.com.)

 

De acordo com Waskett, a partir dos dados de localização e a velocidade dos jogadores envolvidos, a probabilidade de um gol a ser marcado nos próximos 15 segundos é de 1,3%. Com esses dados em mãos, o técnico do time pode tirar vantagem sobre os concorrentes e tirar vantagem em jogadas futuras. Na temporada 2019/20, em que a matéria foi produzida, o Liverpool sagrou-se campeão do Campeonato Inglês (Premier League) após 20 anos sem o título.

 

3) DE OLHO EM EXCESSO DE JOGOS, PALMEIRAS INVESTE EM TECNOLOGIA DE PERFORMANCE E PREVENÇÃO DE LESÕES (Palmeiras prevenção de lesões, 2020)

 

TECNOLOGIA DE PERFORMANCE E PREVENÇÃO DE LESÕES DO PALMEIRAS – O fisiologista Vinicius Ponzio (à esquerda) e o jogador Alan durante treinamento na Academia de Futebol (Cesar Greco/Palmeiras)

 

O Palmeiras adquiriu em 2020 uma nova tecnologia de monitoramento cardíaco em tempo real dos atletas para aprimorar o controle de carga e desgaste. O equipamento, chamado First Beat, será utilizado em treinos e jogos para prevenir lesões e impactar positivamente o desempenho da equipe. O aparelho consiste de uma cinta de frequência cardíaca posicionada no tórax do atleta. Uma antena transmite ao computador os dados do batimento cardíaco em tempo real e os transforma em informações personalizadas sobre exercício, estresse e nível de recuperação.

O foco é a performance e a prevenção de lesões. Esse equipamento, que usa um algoritmo desenvolvido para atletas de futebol, nos possibilita perceber em tempo real como eles estão assimilando a carga de treinos e jogos.

A nova tecnologia complementa o monitoramento de fadiga já feito pelo clube por meio do GPS acoplado na camisa térmica – cabe ao fisiologista interpretar simultaneamente as ações mostradas na tela do computador e tablet de forma didática com números e cores. Essa ferramenta permite à comissão técnica a fazer intervenções em tempo real nos treinamentos.

 

4) TECNOLOGIAS PARA MONITORAR ANÁLISES ESPORTIVAS (Barcainnovationhub , 2020)

O uso de tecnologias para analisar o rendimento esportivo é uma prática cotidiana e necessária dentro do esporte profissional. Monitorar as atividades físicas do atleta permite aos clubes saber sobre o estado físico dos seus atletas e o estilo de jogo deles, assim como saber sobre a fadiga ou a carga a qual estão sujeitos durante os treinamentos ou ao longo dos jogos. Graças a todos os tipos de sensores e câmaras recebemos essas informações em tempo real sobre posição, velocidade ou frequência cardíaca dos nossos atletas, dados que podem ser tratados a posterior para verificar as tendências ou possíveis melhorias no jogo. Aparecem desta forma as questões principais na hora de implementar este tipo de soluções inovadoras: de um lado qual os tipos de tecnologias que permitirão um melhor monitoramento dos nossos atletas em relação a sua eficiência; de outro lado como processá-las de maneira útil e utilizar a menor quantidade de recursos possíveis.

Atualmente, existem três sistemas de análise esportivo: os sistemas de vídeo baseados em múltiplas câmeras semiautomáticas (VID), os sistemas de posicionamento local baseados em radares (LPS) e os sistemas de posicionamento global (GPS). O VID conta com uma metodologia para a análise externa do rendimento esportivo baseada no uso de câmeras de alta definição que monitoram os atletas dentro do campo. Este interessante sistema nos permite reproduzir os trajetos realizados no campo, que fornecem informações importantes para a análise dos movimentos destes atletas não só individualmente, mas também nas jogadas armadas em grupo. Além disso, tem vantagens em relação aos outros sistemas: os aparelhos ficam fora do campo, um fator de grande importância para muitos técnicos e dirigentes esportivos que consideram que nenhum dispositivo deveria estar na linha de frente. Os sistemas LPS são conhecidos pelo uso em espaços internos e seu princípio de funcionamento é baseado em triangular a posição de uma pessoa ou objeto, graças às diferentes beacons ou balizas distribuídas em toda a área de abrangência. Entretanto, sua aplicabilidade não interage com as demais tecnologias. De outro lado, o uso do GPS no monitoramento esportivo teve um grande crescimento com relação às normativas da FIFA sobre o uso delas dentro de campo e, provavelmente, seja o sistema de monitoramento mais utilizado hoje em dia.

E o que fazer com essa grande quantidade de informações que não param de crescer? A probabilidade de redução dos valores na área de tecnologia de monitoramento, agregando o uso de inteligência artificial e o big data, podem trazer ao esporte uma grande revolução. O simples fato de imaginar que os observadores podem ser substituídos pelos sistemas VID ou GPS que registram todas as informações dos atletas e um sistema de inteligência artificial, capaz de processar todos esses big data e identificar padrões de interesse ou informações valiosas. “Esse tipo de técnica de Machine Learnign e Inteligência Artificial que tem excelentes resultados em outras áreas do conhecimento já mais homogêneas e estáveis encontra alguma dificuldade para que sejam aplicadas ao futebol. Falando de futebol e outros esportes onde a correlação entre “boas estatísticas de rendimento” e resultado são muito altas. A mensagem final é de esperança: “estamos convencidos que as contribuições que, atualmente, realizam os cientistas que pesquisam essas informações, colaboram com os treinadores, preparadores físicos e analistas de futebol terminarão evidenciando a real importância deste tipo de análise avançada das debilidades e fortalezas do rival, maximizando o rendimento técnico-tático e físico dos atletas, prevendo o rendimento que um jogador teria se jogasse integrado em uma ou outra equipe, selecionar o atleta que melhor se adapte a um determinado sistema e a um estilo de jogo…”. O futuro está cada vez mais perto.

 

5) Flamengo adota tecnologia pioneira para recuperação de atletas (onefootball , 2022)

 

Flamengo está realizando altos investimentos em tecnologia. Além do Wimu, uma espécie de GPS, o clube carioca utiliza de uma tecnologia de realidade virtual, que pode ser utilizada para agilizar a recuperação dos atletas. O aparelho se chama ‘Rezzil’ e é uma plataforma de desempenho cognitivo para medir a capacidade dos jogadores. Através da realidade virtual é possível simular situações de jogo e, com isso, os atletas ‘agilizam’ o processo de transição. O fisioterapeuta Márcio Puglia detalhou sobre a nova tecnologia.

Flamengo adota tecnologia pioneira para recuperação de atletas Em recuperação, Ramon já utilizou o aparelho de realidade virtual (Foto: Reprodução / FlaTV) Foto: Lance!

 

6) Copinha: saiba como é feito o monitoramento de promessas em torneio com mais de 100 times (2022)

 

A edição 2022 ainda trouxe uma notícia boa para quem faz o “scouting” dos jogadores na competição: todos os jogos do torneio tiveram transmissão, seja pela TV, YouTube ou através do aplicativo Paulistão Play. A acessibilidade para assistir às partidas foi de grande ajuda para o trabalho de observação e análise de atletas (jc, 2022)

O coordenador de captação de atletas para a base do Palmeiras, William Santos, explica que o clube conta com toda a equipe de observação (oito profissionais) na Copinha, além da participação do coordenador geral João Paulo Sampaio, que está presente em diversos jogos. “A estratégia foi manter uma base de três profissionais analisando por vídeo e cinco presenciais. Todos os dias, após o término dos jogos, realizamos debates sobre destaques e possíveis situações interessantes”, avalia. (jc, 2022)

Os profissionais da captação ainda contam com suporte da análise de mercado do clube, além de dispor de uma parceria com um grupo que também assiste jogos por vídeo ou in loco. (jc, 2022)

 

Bibliografia

 

(barcainnovationhub , 2020)https://barcainnovationhub.com/pt/tecnologias-para-monitorar-analises-esportivas/

(Noticiasconcursos, 2020) https://noticiasconcursos.com.br/tecnologia-no-esporte-analytics-aumenta-desempenho-de-atletas/

(jc, 2022) https://jc.ne10.uol.com.br/blogs/torcedor/2022/01/14936506-copinha-saiba-como-e-feito-o-monitoramento-de-promessas-em-torneio-com-mais-de-100-times.html

(onefootball , 2022)https://onefootball.com/pt-br/noticias/flamengo-adota-tecnologia-pioneira-para-recuperacao-de-atletas-34422842

(Palmeiras Neurociência, 2017).https://www.palmeiras.com.br/noticias/palmeiras-inova-e-aplica-projeto-de-neurociencia-nas-categorias-de-base/

(Palmeiras prevenção de lesões, 2020) https://www.palmeiras.com.br/noticias/de-olho-em-excesso-de-jogos-palmeiras-investe-em-tecnologia-de-performance-e-prevencao-de-lesoes/

(Gazeta Esportiva CT da base, 2022)  https://ge.globo.com/futebol/times/palmeiras/noticia/palmeiras-ja-tem-projeto-pronto-para-novo-ct-da-base-pedido-por-abel-veja-as-fotos.ghtml



Frank Toshioka é Mestre em Desenv. de Tecnologia, Engenheiro Eletricista e Cientista de Dados - Especialista em Medições SMF, ADMS, SCADA, Hemera CAS, Copel, SCDE CCEE, SAMUST ONS. Gerente de Projetos de P&D - temas Blockchain, GD e Eletromobilidade. Frank Toshioka é Mestre (Stricto Sensu) em Desenvolvimento em Tecnologia pelo Lactec (2017) - Dissertação: Previsão de preço semanal de energia elétrica com dados com limites de saturação através de redes neurais artificiais e Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004). Também é Escritor com 3 livros já publicados. Atualmente é Engenheiro Eletricista da Copel Distribuição, tendo experiência nas seguintes áreas: 1) Mercado e Comercialização Copel Distribuição (01/06/2014 até a presente data) a) Gestão de migração de consumidores do Ambiente de Contratação Regulado (ACR) para o Ambiente de Contratação Livre (ACL) e Apuração da carga Copel Distribuição (base CCEE – Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) b) Gestão do processo MUST - Montante de Uso do Sistema de Transmissão junto ao ON; c) Representante da Copel Distribuição de vários processos da CCEE (Ajustes de medições de fronteira, modelagens, Topologia da carga da Copel Distribuição, Medição Física e Contábil). d) Automações de sistemas envolvendo Gestão de Ajustes de Medições e 2) Gerente de Projetos P&D ANEEL nos temas de Inteligência Artificial na Previsão de Preços de Energia, Gestão de Energia pelo lado da demanda na Mobilidade Elétrica e Marketplace Descentralizado para Comercialização de Energia Elétrica baseado em Blockchain.3) Manutenção dos Sistemas da Copel Distribuição: a) 01/06/2012 a 31/10/2013 - Manutenção de Redes de Distribuição Gerenciamento de manutenção preditiva, preventiva e corretiva de redes de distribuição aérea convencional e compacta; b) 01/11/2013 a 31/05/2014 - Supervisão de inspeção preventiva e preditiva de redes de distribuição aérea: Acompanhar o desempenho dos índices de controle e continuidade (DEC/FEC) da manutenção do sistema de distribuição da macrorregião de Maringá; 4) Projetos, Fiscalização de Obras da Copel Distribuição (12/08/11 a 31/05/2012) - Elaboração de Projetos de rede aérea convencional e compacta; Fiscalização de Projetos de rede aérea e subterrânea, obras de saídas de Subestações e obras de Subestações Móveis; Participação de grupos de trabalho envolvendo redes subterrâneas. 5) Outras atividades: Mentor de Modelo de Negócios junto a Startups; Conselheiro Suplente do Crea-PR - Câmara de Engenharia Elétrica desde 2019. Livros já publicados: em 10/06/19 - A produção do conhecimento na engenharia elétrica, da Atena Editora - Capítulo Sistema gestor de ajustes de medições de fronteira Copel Distribuição.

Diga-nos o que achou do post: