Dúvidas sobre peelings faciais

Que mulher não sonha em ter aquela pele de pêssego, sem nenhuma imperfeição, a ponto de poder exibi-la sem maquiagem corretiva por aí? Infelizmente, apenas algumas sortudas são abençoadas a este ponto. Porém, a tecnologia e a medicina evoluíram muito ao longo dos anos e garantiram tratamentos estéticos que deixam essa realidade mais próxima de nós, meras mortais.

Os peelings faciais estão no rol de procedimentos que prometem tornar seu rosto mais macio, sem espinhas, marcas de expressão e outras imperfeições que a exposição ao vento, ao sol e também o avanço da idade nos trazem.

Como o procedimento funciona?

De acordo com o cirurgião Thiago Souza, da Inova, clínica de cirurgia plástica no Rio de Janeiro, “O tratamento consiste, basicamente, na esfoliação ou aplicação de substâncias químicas que corrigem marcas, manchas e até pequenas rugas”.

Além disso, ele é indicado para o tratamento de oleosidade, já que reduz significativamente essa característica indesejável da pele. O procedimento também costuma dar resultados satisfatórios às pacientes que desejam amenizar as cicatrizes de acne, clarear sardas, manchas, marcas de expressão e rugas finas.

Como uma camada superficial da pele é retirada, recomenda-se que o peeling seja feito em dias de temperatura mais amena e, de preferência, no inverno, já que o rosto costuma ficar sensível e, portanto, não deve ser exposto ao sol.

Quais são os tipos de peelings faciais?

Atualmente, existem no mercado uma infinidade de peelings faciais que melhor se adequam a cada necessidade e às características da pele. Confira os principais:

Peeling químico

O peeling químico, um dos mais comuns, é realizado através de pequenas aplicações de ácido. Os mais recorrentes são o ácido retinoico, o salicílico e o fenol.

Peeling físico

O cirurgião plástico esclarece que, “Ao contrário do anterior, o peeling físico não faz uso de nenhuma substância química, e sim de técnicas de esfoliação, como a microdermoabrasão, popularmente conhecida como peeling de cristal. Este tratamento em específico é feito através de esfoliação com minúsculos cristais de óxido de alumínio”.

A dermoabrasão também é outro método recorrente de peeling físico e é realizado através de lixas que removem cicatrizes e até tatuagens.

Peeling a laser

Como o próprio nome já diz, esta modalidade de peeling faz uso da tecnologia do laser. Trata-se de uma leve e uniforme “queimadura” que irá rejuvenescer e renovar a pele, trazendo ótimo resultados. Suas intensidades variam entre superficial, médio e profundo, e apenas um profissional capacitado poderá dizer qual é o ideal para o seu tipo de pele.

Recomenda-se que pessoas de pele mais escura não optem por este tipo de peeling, pois como as queimaduras deixam manchas, quando há mais pigmentação, mais tempo elas demoram para desaparecer.

Cuidados especiais

Os benefícios do peeling facial são inúmeros, independentemente do tipo escolhido, mas alguns cuidados especiais também são necessários para que o resultado seja satisfatório.

Por exemplo, o procedimento não pode e nem deve ser feito sem que haja alguma preparação prévia, que incluem o uso de cremes receitados pelo próprio dermatologista, geralmente a base de ácido retinoico, vitamina C, entre outras substâncias.

“Depois do procedimento, o uso de protetor solar com fator de proteção 30, no mínimo, é indispensável, inclusive em dias nublados e mesmo que você permaneça em ambientes fechados. Alguns outros produtos, como pomadas e hidratantes, também serão indicados pelo seu médico”, finaliza o Dr. Thiago.

0