A verdade sobre a polêmica decisão em favor dos psicólogos, intitulada de ‘cura gay’

No último dia 15, o Juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara do Distrito Federal, concedeu uma liminar que criou polêmica nas redes sociais e outros meios de comunicação em torno da chamada “cura gay”.  Desde 1990, o CFP (Conselho Federal de Psicologia), através da resolução 01/99, impedia os psicólogos de terem qualquer posicionamento público nas questões da homossexualidade, realizar estudos e pesquisas científicas acerca dos comportamentos homoeróticos e proibia os profissionais de psicologia de atender as pessoas que buscassem ajuda e orientação relacionada à sexualidade.

Em liminar parcial deferida pelo juiz, sem suspender os efeitos da resolução nº 001/1990, determina ao Conselho Federal que não a interprete de modo a impedir os psicólogos de promoverem estudos ou atendimento profissional, de forma reservada, pertinente à (re) orientação, garantindo-lhes assim a pela liberdade científica acerca da matéria. (clique aqui e leia a decisão).

Vale ressaltar, que a exemplo de muitas outras de outras resoluções, leis e normas é necessário ler e entender sua resoluções para que não haja interpretação erronia e propagação de informação incorreta e difamatória em veículos de massa como as redes sociais.

A decisão tem sido mal interpretada e da mesma forma multiplicada por alguns veículos de comunicação sem que ao menos as pessoas tivessem acesso à decisão em sua íntegra, em alguns veículos por não disponibilizarem o documento e em muitos casos, por mera falta de interesse da leitura e interpretação de seu conteúdo.

Fica claro que não há decisão para atendimento coercitivo, ou seja, os profissionais de psicologia contribuirão para a (re) orientação daqueles que por ventura acharem necessários e importantes o apoio do profissional, não havendo nenhuma imposição.

Sabemos que muitos indivíduos nascem com a pré-disposição a homossexualidade, sobretudo, também é sabido que muitas pessoas se tornam confusas após sofrerem traumas de infância, de relacionamentos mal sucedidos ou violentos ou são vítimas de abusos sexuais; nestes casos o apoio de psicólogos é de grande importância e fundamental para que estas pessoas possam superar estas marcam que afetam sua vida em vários aspectos, inclusive o da sexualidade.

Hoje (21) o grupo de psicólogos emitiu uma nota de esclarecimento à população referente a  liminar e deixou claro que medidas judiciais serão tomadas quanto a disseminação de informações distorcidas e ofensa a moral e a dignidade dos autores da ação popular. (clique aqui e leia a nota) .

 

0